Seja bem-vindo ao Amber Heard Brasil, a sua maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz no Brasil. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Somos um site sem fins lucrativos criado e mantido por fãs e não possui qualquer ligação com Amber Heard, sua família ou seus representantes. Todo o conteúdo original aqui apresentado pertence ao site a não ser que seja informado o contrário. Nenhuma violação de direitos autorais é pretendida, nós NÃO reivindicamos ou possuímos direito de propriedade sobre nenhuma das fotos em nossa galeria, as mesmas pertencem aos seus respectivos donos legítimos e estão sendo usadas de acordo com a Fair Use Law § 107.

Por Maureen Callahan

Por que Johnny Depp ainda está sorrindo?

Talvez porque a Internet tenha decidido que Depp já ganhou este julgamento. Assim como Chris Rock, que disse no palco na semana passada que sim, devemos “acreditar em todas as mulheres, mas não em Amber Heard”.

Uau.

Amber Heard não é uma vítima perfeita. Mas adivinhem? Não existem vítimas perfeitas.

Qualquer um que se lembre do testemunho das vítimas de estupro de Harvey Weinstein – algumas das quais continuaram a fazer sexo consensual com Weinstein após seus ataques, que lhe enviaram e-mails calorosos, um até escrevendo que esperava apresentar Weinstein à mãe – pode atestar isso.

Então, por que tanto ódio por Heard? Por que há tão poucas vozes feministas defendendo-a?

Na segunda-feira, ela testemunhou que Depp, mais de uma vez, agarrou-a pelo osso púbico e “me provocou, me perguntando se eu achava que eu era tão durona – ‘durona como um homem agora?’

Amber Heard tem mais recall, detalhes e recibos do que Christine Blasey Ford já teve. No entanto, enquanto Blasey Ford se tornou uma cause célèbre imediata, um meme da verdade ao poder misógino, uma métrica da boa fé feminista liberal, Amber Heard tornou-se uma piada.

Como isso é justo? Ou lógico?

E, na verdade, é Depp quem é a piada aqui: o pretenso mais legal dos descolados, um homem de 58 anos colorindo no tribunal enquanto fotos dele cochilando, desmaiado no chão, são colocadas em evidência. Como ouvimos testemunhos de que seu abuso de drogas e álcool o tornou incontinente e sem seguro. Enquanto ele sorri e ri enquanto Heard testemunha abusos horríveis, Depp forçosamente revistando sua vagina por cocaína e, em outro incidente, estuprando-a com uma garrafa de bebida.

Todos esses detalhes são extremamente específicos e humilhantes, e só reforçam a credibilidade de Heard. Afinal, é difícil manter as coisas pequenas em ordem quando você está contando muitas grandes mentiras.

No entanto, a narrativa predominante, ainda, é que este julgamento está reabilitando a imagem de Depp, salvando sua carreira e reivindicando sua reputação.

Não é. Depp acabou.

Não acredite em mim? Vamos revisitar esta matéria de capa no The Hollywood Reporter, que foi veiculada em dezembro de 2020, um mês depois que Depp perdeu seu processo por difamação no Reino Unido – que o declarou, essencialmente, um espancador de esposa.

“Ele é radioativo”, disse um chefe de estúdio ao THR. “Você simplesmente não pode trabalhar com ele agora.”

Isso não se deve apenas à sua raiva, disse a revista, mas à “insaciável sede de vingança” de Depp.

Outro chefe de estúdio chamou Depp de “uma enorme dor de cabeça… a descoberta que saiu nesse julgamento por si só seria suficiente para assustar qualquer estúdio.”

“Eu o uso como modelo para dizer aos meus clientes o que não fazer”, disse um alto gerente de crise à revista. “Não é o caso de dar um tiro no próprio pé. Ele deu um tiro no próprio rosto”.

No entanto, dia após dia, as fãs de Depp inundam o tribunal e olham amorosamente para a parte de trás de sua cabeça. Eles trazem presentes que ele nunca vai abrir. Eles zombam de uma mulher em quem se recusam a acreditar – mesmo que relatos falsos de violência doméstica sejam extremamente raros.

O que esse julgamento fará com as mulheres que já têm medo de denunciar seus agressores?

“Quando eu entro no tribunal. . . a maioria são mulheres”, disse o repórter de Law & Crime, Jesse Weber, ao Mediaite. “Quando ouvi. . . estava testemunhando, ouvi muitas pessoas rindo, fazendo comentários sarcásticos e rindo. . . Na verdade, observei um dos oficiais do tribunal indo até um grupo de apoiadores de Depp no ​​tribunal e dizendo-lhes para se acalmarem, para mostrar respeito à testemunha no banco”.

É um truísmo triste que ninguém é tão duro com as mulheres quanto as outras mulheres. Considere que um júri majoritariamente masculino condenou Harvey Weinstein.

Quatro homens e três mulheres fazem parte do júri de Depp.

Enquanto Heard, no depoimento, explicou como ela aprendeu a cobrir seus hematomas – “O segundo dia para mim sempre foi o mais complicado; é quando você tem mais sensibilidade. . . hematomas não gostam de ser tocados”, Depp se inclinou para seu advogado e sorriu.

Por que esse testemunho vil consistentemente provoca desprezo de Johnny Depp?

Se você acha que Heard está dizendo a verdade ou não, qualquer pessoa que já tenha sido vítima de violência doméstica lhe dirá: nada disso é engraçado.

E por que o juiz não repreendeu o comportamento de Depp? O que nós, como mulheres, devemos tirar desse endosso tácito de seu comportamento?

O depoimento de segunda-feira terminou com uma das advogadas de Depp – não pode ter sua primeira cadeira, um homem, ir atrás da mocinha, estou certo? – martelando Heard sobre sua promessa de doar seu acordo de divórcio para instituições de caridade, doações ainda não cumpridas, que de acordo com Heard e advogados, as doações poderão ser feitas em um curso de 10 anos já que foram divididas em parcelas, algo muito comum para grandes quantias.

Claramente, o ponto é estabelecer Heard como um mentirosa. Para o time Depp ela parece estar mentindo sobre isso? Sim. Isso significa que ela está mentindo sobre o abuso de Depp? Não.

As duas coisas podem ser verdadeiras ao mesmo tempo. Não peça a Amber Heard para ser uma vítima perfeita.

Mas quanto a um vilão perfeito – bem, Johnny Depp está fazendo alguns de seus melhores trabalhos em anos.

Matéria: New York Post | Tradução e adaptação: Equipe Amber Heard Brasil







layout desenvolvido por lannie d. - Amber Heard Brasil