Seja bem-vindo ao Amber Heard Brasil, a sua maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz no Brasil. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Somos um site sem fins lucrativos criado e mantido por fãs e não possui qualquer ligação com Amber Heard, sua família ou seus representantes. Todo o conteúdo original aqui apresentado pertence ao site a não ser que seja informado o contrário. Nenhuma violação de direitos autorais é pretendida, nós NÃO reivindicamos ou possuímos direito de propriedade sobre nenhuma das fotos em nossa galeria, as mesmas pertencem aos seus respectivos donos legítimos e estão sendo usadas de acordo com a Fair Use Law § 107.

A enxurrada de conteúdo abusivo direcionado a Heard não está apenas prejudicando a ela e os futuros sobreviventes, mas também está moldando como os jovens entendem a violência doméstica.

Por Anya Zoledziowski

Enquanto o caso de difamação de Johnny Depp e Amber Heard se desenrola em um tribunal da Virgínia, um julgamento separado está ocorrendo online, onde o veredicto se inclina fortemente para Depp ser a “verdadeira vítima”.

Por semanas, memes e vídeos chamando Heard de “mentirosa”, “psicopata” e “manipuladora” congestionaram as mídias sociais. Eles tiram sarro de seu cabelo, roupas e expressões faciais, e às vezes até desejam que ela morra. Somente no TikTok, a hashtag #justiceforjohnnydepp foi visualizada 16,3 bilhões de vezes – em comparação com apenas 53,6 milhões para #justiceforamberheard (nem perto de 1 por cento).

Hoje, esse julgamento está em nossos bate-papos em grupo, no bar, e pode até surgir durante o jantar, e é uma realidade que de certa forma já declarou Heard a perdedora – mesmo que ela vença no tribunal.

“Na verdade, provavelmente será pior para ela se ela vencer”, disse Mandi Gray, especialista em justiça de gênero e pesquisadora da Universidade de Calgary, à VICE News. “A humilhação pública, na minha opinião, vai aumentar.”

Pelo menos parte do conteúdo pró-Johnny vem do site de direita Daily Wire, fundado por Ben Shapiro. (A VICE World News descobriu como o Daily Wire gastou milhares de dólares em publicidade pró-Depp.) Mas também houve rumores de que trolls e bots estão espalhando rapidamente conteúdo em defesa do ator de Piratas do Caribe. Depois, há os criadores de conteúdo que começaram a comentar sobre o julgamento para ganhar seguidores e influência.

O dilúvio avassalador de conteúdo direcionado a Heard é abusivo e humilhante, dizem os especialistas, e é em parte por que nós, coletivamente como sociedade, estamos falhando com Heard.

“Eu não acho que nós só falhamos com Amber Heard. Acho que falhamos com todas as mulheres que sofreram violência de gênero,” disse Gray.

Independentemente de você acreditar em Depp ou Heard ou em ambos, muitos de nós estão se acumulando no abuso que Heard disse repetidamente que sofreu: criando – ou consumindo ou compartilhando ativamente – vitríolo anti-Heard. É também por isso que Depp, de certa forma, já venceu, dizem os especialistas.

“É preciso uma aldeia” disse a defensora da justiça de gênero Farrah Khan. “Não se trata apenas da pessoa causar dano; é sobre as pessoas ao redor que permitem, defendem e incentivam.”

Tudo isso está acontecendo enquanto ainda estamos a dias de um veredicto no tribunal de Fairfax, onde Depp lançou um processo de difamação de US$ 50 milhões contra Heard em resposta a um editorial do Washington Post de 2018, que Heard escreveu sobre suas experiências com agressão doméstica. A postagem não nomeou Depp, mas o ator indicado ao Oscar afirma que é “claramente” sobre ele e que isso lhe custou sua carreira. Heard está processando Depp por US$ 100 milhões em danos. Tanto Heard quanto Depp acusam o outro de ser abusivo, mantendo sua própria inocência.

Durante semanas, o tribunal ouviu testemunhos angustiantes de ambos os atores, que produziram imagens, gravações de áudio e mensagens de texto privadas para defender seus casos. Em uma série de textos, Depp disse que queria “queimar” Heard e que “foderia seu cadáver queimado” para “ter certeza de que ela está morta”. Em uma gravação de áudio tocada repetidamente para o júri, Heard diz a Depp que ela o “bateu”, mas não o “socou”. “Eu não te dei um”, ela diz no áudio. Fotos de Heard com o rosto machucado e inchado e o cabelo arrancado do couro cabeludo acompanham várias alegações de abuso que ela diz ter sofrido nas mãos de Depp.

Depp diz que Heard cortou a ponta de seu dedo durante a infame briga na Austrália. (Na época, ele disse às pessoas que ele mesmo fez isso.) Foi durante essa briga que Heard diz que Depp jogou vidro repetidamente e a penetrou com uma garrafa. Ela disse ao tribunal que Depp segurou uma garrafa quebrada em seu queixo e disse que ele “cortaria” seu rosto.

Os comentários que acompanham as transmissões ao vivo do julgamento fizeram pouco caso dos textos violentos de Depp (“lol Johnny”) e honram suas alegações, enquanto chamam as imagens dos ferimentos de Heard de “photoshop” e enviam spam para seu testemunho com emojis de vômito.

Mesmo as pessoas que dizem que sofreram abusos expressaram seu desdém por Heard. Mas, como Khan disse, somos especialistas apenas quando se trata de nossas próprias experiências.

“Isso não faz de você um especialista em violência doméstica como um todo, porque isso acontece de muitas maneiras diferentes” disse Khan.

“Você terá mais predadores – e mais violência.”

Vários defensores da justiça baseada em gênero disseram à VICE News que se deve acreditar em Heard, e notam que casos de difamação são frequentemente usados ​​por abusadores para controlar e coagir sobreviventes.

Gray, que estudou o fenômeno e está sendo processada no Canadá por twittar sobre alegações de agressão sexual, disse que esses casos legais são uma “maneira de humilhar publicamente as pessoas, principalmente as mulheres, e obter o controle”. Isso ocorre em parte porque, quando você é processado, precisa entregar uma grande parte de sua vida: mensagens de texto entre amigos e familiares, e-mails e muito mais, que são escrutinados no tribunal.

“É um processo muito invasivo” disse Gray, acrescentando que, ao iniciar processos de difamação, os criminosos também podem tentar “inverter o roteiro”.

“Este caso não é exceção. É a regra” disse Gray.

Mas mesmo que Heard esteja mentindo, isso justificaria o ódio que fervilha nossos feeds de mídia social? “Você ainda não diria que não está tudo bem – eu não quero que ela se prejudique, eu não quero que ela se machuque?” disse Khan.

Os comentários mordazes já estão causando um efeito silenciador. Alguns leitores entraram em contato para dizer que estão com muito medo de falar contra Depp porque não querem que “sua horda” os ataque.

Em breve, isso silenciará as próprias vítimas e sobreviventes de violência doméstica, disse Jaclyn Friedman, escritora feminista e fundadora do EducateUS, um grupo dedicado a melhorar a educação sexual nos EUA.

“Você só vai ver menos vítimas se manifestando. Algumas vítimas vão pensar que não podem sair porque viram seus amigos e familiares atacarem Heard e apoiarem Depp” disse Friedman.

“O que tudo isso significa é que você terá mais predadores – e mais violência.”

Isso provavelmente seria ainda pior para outras mulheres, especialmente mulheres de cor ou mulheres mais pobres. A sexualidade de Heard foi armada durante sua briga com Depp: os tablóides a pintaram como promíscua e insinuam que ela traiu Depp – tudo porque ela namorou homens e mulheres. Mas a estrela do Aquaman também é branca e convencionalmente atraente.

Então, se tratamos tão mal uma mulher branca cis, “o que estamos dizendo para o resto?” disse Khan. “Penso em Megan Thee Stallion… penso em FKA Twigs.”

O caso de Heard também tem o potencial de moldar como os jovens entendem a violência sexual e doméstica. Cerca de um terço dos usuários do TikTok nos EUA têm entre 10 e 19 anos e mais da metade são mulheres. Eles, sem dúvida, verão o conteúdo do Depp-Heard. Muitos desses usuários sofrerão violência sexual e doméstica, apontou Khan.

“Esta é uma questão que devemos levar a sério porque esta é uma das maiores campanhas públicas de desinformação que já vimos sobre violência doméstica” disse Khan. “Este caso está moldando como os jovens veem a violência doméstica.”

Khan também disse que a maneira como tudo isso está se desenrolando também criará um manual de “como prejudicar”.

Portanto, embora uma “vitória no tribunal seja melhor do que uma derrota” disse Friedman, “a mensagem foi enviada não apenas às vítimas atuais, mas às futuras vítimas de que você precisa estar disposto a passar por humilhação pública, assassinato de caráter e retraumatização.”

O processo judicial deve terminar na sexta-feira, com um veredicto esperado logo depois. Mas, como Friedman apontou, “muito do dano já foi feito”.

Enquanto isso, as equipes jurídicas de Heard e Depp estão encerrando seus casos agora em suas últimas tentativas de influenciar o júri. Mas mensagens de texto estranhamente prescientes escritas por Depp anos atrás sugerem que o que está acontecendo fora do tribunal já está acontecendo do jeito dele.

“Eu não tenho misericórdia, nem medo e nem um pingo de emoção, ou o que eu uma vez pensei que era amor por essa interesseira, baixo nível, dez centavos, uma dúzia, podre, baranga sem sentido, estou tão feliz por ela quer ir lutar contra isso!!! Ela vai bater na parede com força!!!” Depp escreveu em 2016, presumivelmente sobre Heard depois que ela pediu uma ordem de restrição contra ele.

“Ela está implorando por uma humilhação global total… Ela vai conseguir.”

Matéria: Vice | Tradução e adaptação: Equipe Amber Heard Brasil







layout desenvolvido por lannie d. - Amber Heard Brasil