Seja bem-vindo ao Amber Heard Brasil, a sua maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz no Brasil. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Somos um site sem fins lucrativos criado e mantido por fãs e não possui qualquer ligação com Amber Heard, sua família ou seus representantes. Todo o conteúdo original aqui apresentado pertence ao site a não ser que seja informado o contrário. Nenhuma violação de direitos autorais é pretendida, nós NÃO reivindicamos ou possuímos direito de propriedade sobre nenhuma das fotos em nossa galeria, as mesmas pertencem aos seus respectivos donos legítimos e estão sendo usadas de acordo com a Fair Use Law § 107.

Em suas tóxicas batalhas legais com Amber Heard, Johnny Depp tinha um exército de superfãs, chamados de “Deppheads” para defendê-lo. Alguns apareciam todos os dias na corte; milhares e milhares de outros defenderam sua causa online e jogaram sarcasmo sobre aqueles que ousaram questionar seu “herói”.

Agora, no entanto, Heard tem sua própria rede de apoio britânica – e embora elas possam ser incapazes de competir em números, elas certamente podem competir em habilidades, com experiência em direito penal, psicologia e defesa de vítimas de abuso. Elas têm se reunido em torno da atriz em Londres e também trabalhando juntas para combater o abuso que as mulheres enfrentam online.

Jaimi Shrive, 24, é uma acadêmica que pesquisa perspectivas políticas sobre violência contra as mulheres; sua esposa, a Dra. Jessica Taylor, 32, é psicóloga e autora do best-seller do Sunday Times, Sexy but Psycho; Charlotte Proudman é uma advogada especializada em casos envolvendo violência contra mulheres, e Kim Manning-Cooper é uma ativista contra a violência doméstica.

Quando elas se reuniram na casa alugada de Heard em Londres, grande parte da conversa girou em torno de “o que diabos está acontecendo conosco online?”, disse Taylor, fundadora da VictimFocus.

“Há apenas um punhado de pessoas que entendem. Acho que as pessoas não percebem o custo desse trabalho.” A psicóloga pesquisa respostas traumáticas à violência sexual e costuma ser alvo de grupos extremistas da internet: ativistas dos direitos dos homens, grupos “incel” (celibatário involuntário) e a direita alternativa. “Eles compartilharam nosso endereço residencial online, agora estamos tendo que nos mudar. Nossos computadores foram hackeados. Temos CFTV, não avisamos quando estamos no transporte público, contratamos equipes de segurança, parei de fazer eventos ao vivo por meses. As ameaças – deste trabalho, um elemento do qual está apoiando Amber – estão mudando a vida”.

Heard, de 36 anos, foi levada a tribunal no estado norte-americano da Virgínia por Depp, seu ex-marido de 59 anos, por difamação. O caso foi baseado na alegação do ator contra o artigo que Heard publicou no The Washington Post, falando que ela havia sido vítima de violência doméstica e sexual. A atriz não citou em momento nenhum o nome de seu ex-esposo. Um caso anterior ocorreu no Tribunal Superior de Londres, quando um juiz considerou a declaração publicada no tablóide The Sun de que Depp era um “espancador de mulheres” como “substancialmente verdadeira”. Amber foi testemunha no processo, e teve seu testemunho protegido judicialmente, coisa que não ocorreu neste segundo processo. O julgamento no Condado de Fairfax, Virgínia, foi transmitido ao vivo, tweetado e editado para o TikTok. Heard foi o nome mais pesquisado no Google na América em 2022 – e um dos mais trollados, com áudios e vídeos zombando de seu testemunho, muitos ataques online e hashtags como #AmberHeardIsALiar e #AmberHeardIsAnAbuser tweetadas diariamente. Ela perdeu o caso.

Heard foi condenada a pagar £ 8,2 milhões em danos compensatórios e Depp a pagar £ 1,6 milhão depois que seu advogado chamou as reivindicações dela de “farsa”. Ela inicialmente apelou, mas em 19 de dezembro eles chegaram a um acordo: a seguradora de Heard concordou em pagar US$ 1 milhão (£ 820.000). Principalmente nos meses seguintes ao julgamento, Heard, sua filha de 20 meses, Oonagh, e sua amiga mais próxima, Eve Barlow, 36, tiveram que manter sua localização em segredo para protegê-los contra ameaças de ativistas dos direitos dos homens e estranhos na internet que tramam e contam, em detalhes, exatamente como eles querem matar ou abusar da atriz.

“Vi em primeira mão o que acontece quando o mundo decide que precisa de uma nova mulher para odiar e atacar”, disse Barlow. “É incrivelmente isolado, é como ser caçado.”

A equipe de Heard entrou em contato com Taylor depois que ela falou no Twitter sobre “o uso deliberado de diagnóstico psiquiátrico e saúde mental para desacreditar as mulheres no tribunal”. Ela disse: “Fiquei horrorizada, mas não surpresa, ao ler que Amber havia sido diagnosticada com transtorno de personalidade histriônica por uma psicóloga que testemunhou a favor de Depp“, definido por comportamento de paquera, sedução, charme, manipulação e busca de atenção. O termo raramente é mais usado no Reino Unido, disse Taylor.

“O caso de Amber era um livro didático, aberto”, continuou ela. “As mulheres são diagnosticadas no tribunal com um distúrbio de personalidade para minar a verdade de seu relato, em vez de seu comportamento ser reconhecido como uma resposta normal ao trauma sexual.” Isso deu a Heard uma espécie de “força” saber que ela fazia parte de um padrão mais amplo, disse Taylor. “As feministas que normalmente apoiam as vítimas ficaram em silêncio desta vez”, acrescentou Shrive. “Talvez porque a trollagem fosse tão grande. Não é normal estar sujeito a esse nível de ameaça, é uma espécie de guerra psicológica.”

Proudman tweetou seu apoio a Heard durante o julgamento e deu contexto legal ao processo. A advogada falou pela primeira vez com Barlow no início deste ano para ver como ela poderia ajudar, “e o grupo ganhou vida própria”. Desde o julgamento, ela recebeu quase 100 reclamações ao seu regulador na tentativa de removê-la. “Eu senti que tinha o dever e a obrigação de falar sobre isso”, disse ela. “Porque estou com muito medo do que isso significa para outros sobreviventes. As respostas e atitudes de Amber [no tribunal] foram cuidadosamente examinadas: se ela chorava, estava fingindo, se não chorava, era fria e calculista, se tinha provas, significava que era manipuladora, se não tinha provas, estava fazendo mentindo. Esta foi uma versão ampliada do que acontece com as mulheres nos tribunais de todo o país todos os dias”.

Barlow decidiu reunir as mulheres e criar um chat em grupo online seguro. Elas conversaram quase todos os dias e depois se encontraram: um painel consultivo, rede de apoio e futuro grupo de campanha, que se uniram por causa de queijo, charcutaria, música independente e feminismo. Barlow, um jornalista musical nascido na Grã-Bretanha, conheceu Heard cinco anos atrás através do trabalho. Ela a acompanhou ao julgamento e passou a maior parte dos meses seguintes com ela. “Amber sabia que estava representando algo maior do que ela [durante o julgamento] e ela sente que falhou – e isso me quebra”, disse Barlow. “Eu queria criar algo para o qual eu pudesse entregar as chaves quando ela estivesse pronta: um grupo de mulheres que pudesse explicar a ela o que aconteceu e como poderíamos impedir que isso acontecesse novamente.”

Barlow convidou as mulheres no início deste ano sem dizer a elas que Heard estava lá. “Tem sido um período muito sombrio”, disse Barlow. “Mas aquela noite em Londres foi uma das primeiras vezes no ano em que pensei: ‘ah, lá está ela, lá está Amber, ela está de volta’. Estar perto de mulheres que acreditaram nela e a apoiaram foi como vê-la ser ressuscitada.”

Artigo: The Times

Tradução e adaptação: Equipe Amber Heard Brasil.







layout desenvolvido por lannie d. - Amber Heard Brasil