Seja bem-vindo ao Amber Heard Brasil, a sua maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz no Brasil. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Somos um site sem fins lucrativos criado e mantido por fãs e não possui qualquer ligação com Amber Heard, sua família ou seus representantes. Todo o conteúdo original aqui apresentado pertence ao site a não ser que seja informado o contrário. Nenhuma violação de direitos autorais é pretendida, nós NÃO reivindicamos ou possuímos direito de propriedade sobre nenhuma das fotos em nossa galeria, as mesmas pertencem aos seus respectivos donos legítimos e estão sendo usadas de acordo com a Fair Use Law § 107.

Na manhã desta quarta-feira, 08, aconteceu o segundo dia de tribunal do julgamento do caso de difamação de Johnny Depp contra o The Sun. Depp está processando o jornal por chamá-lo de “espancador de esposa” em um artigo de 2018, negando “veementemente” a violência contra a atriz Amber Heard.

Neste segundo dia, foram apresentados à corte novas evidencias da personalidade conturbada do ator quando estava sob a influencia de drogas e álcool.

Depp, 57, tentou inicialmente afirmar que não estava bêbado ou chapado no voo de Boston para Los Angeles em 2014. Mais tarde, porém, ele pediu desculpas ao juiz quando lhe foi mostrado uma mensagem de texto que ele havia enviado logo depois, no qual detalhava as substâncias que tomava. A Alta Corte de Londres soube que ele ficou furioso depois de descobrir que Amber Heard seria o “interesse amoroso” de James Franco no filme The Adderall Diaries.

Sasha Wass QC, do The Sun, disse a Depp: “Você estava insinuando uma briga. Você estava gritando obscenidades para Srta. Heard sobre James Franco no avião. Ela disse que Depp gritou suposições selvagens sobre a Srta. Heard “estar sendo f*dida no set” pelo Sr. Franco.

Depp negou que tivesse feito isso em um avião com seus assistentes, dois pilotos e uma aeromoça presente, o ator disse: “Não concordo com tudo o que você está dizendo.” e acrescentou: “Este é um trecho de sua imaginação [da Srta. Heard].”

Wass continuou: “A Srta. Heard mudou de lugar em mais de uma ocasião para se afastar de você. Você jogou cubos de gelo nela e chutou uma cadeira com tanta força que girou e bateu nela. Você estava furioso, exigindo saber o quanto ela gostava de sair com James Franco e estava com tanta raiva que você deu um tapa na cara dela na frente de todo mundo. Você a chamou de ‘p*ta insistente’ e de ‘prostituta’. Quando ela se afastou, você gritou: ‘Você está se afastando de mim?’ E a chutou nas costas. Você estava furioso como um monstro. Você acabou indo ao banheiro no avião e desmaiou.”

Depp negou isso, dizendo que não estava bêbado ou drogado – e afirmou que Heard era a agressora. Ele disse: “Enquanto a Srta. Heard estava me repreendendo, gritando comigo, levantei-me e fui ao banheiro. Peguei um travesseiro do sofá e dormi no chão do banheiro. Já fiz isso em algumas ocasiões.”

O tribunal ouviu a gravação de um longo e barulhento uivo. Wass afirmou que era a voz de Depp depois que ele ficou “excessivamente bêbado e drogado” no voo. Depp disse: “Se sou eu, definitivamente estava lidando com um problema. Acho difícil reconhecer isso como eu. Eu diria que parece um animal com dor. Wass disse: “Sim, mas você é esse animal. Se você estava com dor, era por causa do seu consumo de drogas e álcool naquele avião. A verdade é que você não se lembra de seu comportamento monstruoso naquele avião.”

Wass apresentou a Depp um texto que mais tarde ele enviou ao ator britânico Paul Bettany. Nele, Depp escreveu: “Vou parar de verdade a coisa da bebida, querido. Bebi a noite toda antes de eu pegar Amber para voar para Los Angeles no domingo passado. Feio, cara. Sem comida por dias, pós, meia garrafa de uísque, mil Red Bull e vodkas, pílulas, 2 garrafas de champers no avião e o que você ganha? Um índio zangado e agressivo apagando e gritando obscenidades, insultando qualquer pessoa que se aproximasse. Acabou. É certo que estou com muita merda na cabeça para descontar minha raiva em quem eu amo. Eu sou velho demais para ser esse cara. Mas pílulas tudo bem!

Ele imediatamente se desculpou, dizendo ao juiz: “Claramente cometi um erro. Peço desculpas, falei incorretamente sobre esta situação. Perguntado se ele agora aceitava que tinha bebido em excesso no avião, ele disse: “Sim”. Ele continuou: “Não me lembro se estava usando cocaína, mas de acordo com essa mensagem parece que não estava fora de questão de forma alguma. É muito provável que eu estivesse tomando pílulas, álcool, cocaína, maconha e, porque não havia me desintoxicado do Roxycodone, eu também estava nisso. Eu posso ter feito coisas das quais não tenho memória. Mas [meus assistentes pessoais] estavam lá e não teriam deixado nada acontecer com Amber. Eu não sou uma pessoa violenta, principalmente com mulheres. Chutar uma mulher pelas costas é um ato horrível e condenador. Se alguém chutasse uma mulher pelas costas, eu o chamaria de doente, animal selvagem, desagradável ​​- é uma das coisas mais repugnantes que alguém já me acusou.”

Ao deixar o banco de testemunhas, Depp juntou as mãos como se estivesse rezando. Ele disse ao juiz: “Mais uma vez, minhas desculpas por deturpar uma situação. Eu não estava totalmente ciente da coisa toda, então me perdoe.”

Depp disse que Heard havia dito a ele “muitas coisas negativas” sobre Franco depois de estrelar com ele em Pineapple Express. Ele disse ao tribunal: “Fiquei chocado por ela estar subitamente tão amigável e feliz com ele. Ela me disse que ele já havia tentado beijá-la e fez avanços sexuais em sua direção. Ela disse que ele era um idiota e um estuprador.”

Depp também foi acusado de outros casos de abuso. Dizem que Depp bateu em Heard em 2013 repetidamente sob uma pintura de sua ex Tasya Van Ree. Wass disse que Depp a atingiu “com tanta força que o sangue de seu lábio acabou na parede”. Ao juiz foi mostrada uma foto tirada pela Sra. Heard de uma contusão no braço, supostamente causada por Depp.

A picture of Amber's bruised arm shown to the court
Nova imagem mostrada no tribunal de Amber com seu braço machucado.



Ele disse: “Eu não bati na Srta. Heard e nunca bati nela.” Perguntado se ele era uma pessoa ciumenta, ele respondeu: “Eu sou sim.” Depp também negou ter atacado a Srta. Heard em uma casa móvel em Hicksville, que supostamente foi lixeira.

Outro acontecimento apresentado na corte foi Depp segurando a cachorrinha de Amber, Pistol, pela janela de um carro em movimento. Dizem que ele fez “barulhos uivantes” enquanto viajava no carro com Heard, sua irmã Whitney, motorista e assistente Nathan Holmes.

Sasha Wass, QC, disse: “Quando você estava no carro, estava fumando, abriu a janela e ficou nervoso e agressivo, como se estivesse naquele clipe que vimos ontem – o lado monstro de seu personagem. E você pegou Pistol e a segurou pela janela e começou a fazer barulhos uivantes.”

O ator respondeu: “Posso dizer que é uma imagem muito cativante, mas é absoluta falsidade absoluta, é fraudulenta.”

Wass então sugeriu que Depp achava isso engraçado, ao que ele respondeu: “Não, senhora, não acho divertido pendurar um animal, um pequeno cão indefeso que pesa três quilos da janela é divertido.”

Dizem que Depp mais tarde “riu” de uma “piada” sobre colocar o cão no microondas. Ele disse: “Eu não diria que fui o inventor dessa piada em particular e também não fui o único que trouxe algo assim a tona.”

O ator também foi interrogado durante suas provas sobre um incidente em que o pequeno cão “comeu um pouco de haxixe, alguns cannabis – bastante.”

Depp admitiu: “O filhote pegou uma bolinha de haxixe e a comeu antes que eu pudesse pegá-la.”

Ontem, Depp foi acusado de colocar sua “raiva e frustração” em Heard, 34, quando “falhou em controlar” seu abuso de drogas e álcool. Ele “mergulhou em comportamento fisicamente destrutivo” – fazendo com que ele se referisse à sua “personalidade bêbada e violenta como ‘o monstro'”, como já foi dito.

Foi apresentado também, um longo e-mail de 2013 de Heard para Depp, mas nunca enviado, descreveu sua vida como um “como uma festa de banho de sangue”. Confira o e-mail traduzido:

Eu não sei mais se consigo fazer isso. É como o Dr. Jekyll e o Sr. Hyde. Metade de você, eu amo. Loucamente. A outra metade me assusta. Eu não aguento ele. Eu gostaria de poder, mas não posso.

O problema é que nunca entendo/sei realmente com quem estou lidando até que seja tarde demais. A bebida me garante que estou lidando com o monstro. O abusado e assustado menino violento e inseguro. Eu simplesmente não sei dizer onde a linha começa.

Além disso, as drogas parecem garantir que eu também serei obrigada a lidar com o monstro. Mais uma vez, é saber o que / quanto / e quando – o que faz toda a diferença. Às vezes a ressaca, na manhã seguinte, é tão ruim quanto a discoteca completa de banho de sangue que eu já esperava. Você vive em um mundo cheio de facilitadores. Você corta e se ressente (percebendo ou não) todo mundo que não é um facilitador. Eu posso fazer uma distinção clara sobre quem se enquadra em qual categoria com total facilidade. A frequência com que você os vê e qual o papel que eles desempenham no seu dia-a-dia distingue onde eles caem na escala facilitadora.

Eu assisti ontem enquanto todos ao seu redor te pegavam do chão, te seguravam. Te pegando para você continuar a vida. Impedi-lo de realmente cair. Com tanta ajuda, é claro que você não sabe o quanto isso machuca você e a sua vida. Porque você paga as pessoas ao seu redor para impedir que seus pés cheguem ao fundo do poço, como eles dizem. Ontem, eu vi você desmaiar, no meio de vômito, três vezes. Todas as três vezes Jerry o carregou do chão.

No avião, Nathan mencionou quantas vezes ele teve que arrombar portas trancadas para te acordar, depois de você desmaiar no banheiro. Você teria se envergonhado inúmeras vezes se alguém fosse honesto o suficiente com você para lhe dizer. Mostrar para você.

Se alguém o filmasse enquanto você estava nesse estado, ficaria mortificado. É embaraçoso ver isso acontecer. Você não pode saber porque as pessoas (amigos?) Continuam sorrindo para o seu rosto e depois virando a cabeça e revirando os olhos para ver como elas parecem e se sentem ridículas ao pegar um homem adulto no meio do próprio mijo e vômito, sabendo que ele nunca vai ser capaz de perceber o quão ruim ele parece.

Pílulas para ressaca não são muito melhores. Você é mau e insensível.

Não tenho motivo para ficar com você. E eu não vou. Você não me paga. Não preciso mentir para você pelo meu trabalho, meios de subsistência ou filhos. Eu nunca vou querer me amarrar a você. Percebo que minha liberdade é agora a única coisa que tenho para me proteger. Eu nunca vou confiar em você para me prender. Eu mesma assisti você desmaiar no chão depois de beber tanto que passou mal. Uma dessas vezes você se cortou tanto que precisou de pontos. Você diz coisas que não quer dizer. Você é impossível argumentar com. Então todo mundo te aplaude. Mente para você. Pior ainda, você mente para si mesmo. E você acredita nisso.

Você tem tantas pessoas que dizem ‘sim’ ao seu redor constantemente protegendo você de si mesmo e da verdade. Eles acham que olhar para você de uma maneira decepcionada é a verdade? Ah, não admira que não funcione. Se eles deixassem você, no chão em sua própria merda, trancado no banheiro enquanto você faltava no trabalho – então talvez você aprendesse de verdade. Aprenda a cuidar de si mesmo.

Você acha que é tão forte, grande autodestrutor do tipo ‘eu não dou a mínima para essa merda?!’ Mentira. Se você realmente não se importasse, não haveria tantas pessoas lá para cuidar de você. Você apenas deixa que eles façam todo o trabalho duro enquanto você foge de seus problemas incapaz de suportar a dor.

Um homem tão grande que nem você precisa de seus assistentes pagos e familiares para carregar e limpar a sua casa. Um homem de verdade não precisa ser tratado como um bebê. O que vi ontem à noite foi uma criança.

Você me fez sentir, no começo, segura. Como se você pudesse cuidar de mim. Como se eu pudesse ter uma família com você. Você me fez sentir como se fosse um homem de verdade – isso era apenas metade de você.

O que vi ontem, e muitas outras vezes, foi uma criança/homem carente. Eu assisto como outros homens adultos têm que te limpar, basicamente. E você obtém o benefício conveniente de nunca ter que se lembrar disso. Isso é bom. Para você. Então você se safa de tantas mentiras que se diz.

Você realmente se engana a pensar nas mentiras mais loucas quando está ferrado e porque está tão acostumado com as pessoas que NÃO te chamarem atenção pelas suas merdas (elas trabalham para você – olá) que você realmente acredita na sua mentira. (Precisa de uma referência, que tal quando você realmente pensou que eu tinha batido em você primeiro. Ou que eu estava escondendo drogas – a lista continua).

Admita as suas próprias merdas primeiro.

Muitas vezes você me machucou. Fisicamente e emocionalmente pelas coisas que você dizia e fazia enquanto estragava tudo. O monstro sai e você se torna malvado e horrível. O oposto do porque eu te amo.

E o que devo fazer? Como você se sentiria se estivesse apaixonado por uma pessoa que, na realidade, eram duas? Você, o amor da minha vida, e o monstro parecem iguais. O quão f*didamente confusa eu me sinto.

Eu estou brava. Tão brava.

Como você se sentiria se te vendessem produtos falsos? Eu me apaixonei por você enquanto você estava sóbrio. Um ano inteiro. Como eu poderia saber que isso estava reservado para mim? Como você se atreve a fazer eu me apaixonar, por esse outro ser – sua boa metade – apenas para arrancar a máscara quando eu estiver dentro?!

Eu me sinto o maior idiota do mundo.

Eu aguentei muito. Eu limpei a merda, o vômito e a merda, literalmente e figurativamente. Fui acusada de coisas malucas – nada disso eu merecia – apenas para nunca ouvir um pedido de desculpas pelo seu zelo alimentado por bebidas.

“Você me bateu repetidamente. Algo que você Nunca deveria ter feito. Que p*rra de homem você é.

E nada disso seria possível sem a bebida e as drogas. NADA.”

Tradução e adaptação: Equipe Amber Heard Brasil




02.06.2020

Black Lives Matter – Como Podemos Ajudar?

Artigo | Destaque | Autor: Biah Frazão

O movimento ativista internacional Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) teve origem na comunidade Afro-americana que luta contra a violência direcionada as pessoas negras. BLM regularmente organiza protestos em torno da morte de negros causada por policiais e questões mais amplas de discriminação racial, brutalidade policial e a desigualdade racial no sistema de justiça criminal dos Estados Unidos. Não se pode ser apolítico ou neutro em situações de opressão: Ou você luta contra ou você se torna o opressor. O silêncio é uma das formas de violência nesse caso. Isso engloba atos de racismo e brutalidade policial nos EUA e no Brasil. João Pedro, de apenas 14 anos, foi morto dentro de casa. Foram mais de 70 tiros em direção à residência. Os familiares acreditam que a polícia viu jovens negros correndo para uma casa grande e com piscina e assumiram que era uma casa de bandidos. Os policiais invadiram, jogaram bomba de gás e continuaram atirando, mesmo com os meninos deitados no chão e avisando sobre a presença de criança. João foi atingido pelas costas. George Floyd foi assassinado por um policial de Minneapolis. Floyd foi algemado, contido e completamente cooperativo quando tudo isso aconteceu. O policial apoiou o joelho no pescoço de George, sufocando-o por minutos a minutos, enquanto George gritava que ele não conseguia respirar. Os espectadores imploraram para que o policial tirasse o joelho do pescoço de George, mas o policial fingiu não ouvir e continuou a sufocá-lo. Se você não pode participar ativamente dos atos e manifestações, use seu privilégio para outras coisas: • Dê RT nos tweets com as tags #VidasNegrasImportam, #VidasNasFavelasImportam e #BlackLivesMatter. • Divulgue os atos ANTIFA e anti racistas nas suas redes sociais. • Assine petições. • Doe. • DENUNCIE E SE MANIFESTE contra QUALQUER ato racista/fascista. Não seja neutro, não fique na dúvida entre se posicionar ou não, pois ao se isentar você corrobora com o opressor silenciando a causa. Não se esqueça, se você é branco, o seu lugar é de apoiador não é momento de palco; não espere parabéns e não faça disso um momento seu. Uma contribuição importante é se reeducar em relação ao seu vocabulário (exemplos), prestando atenção em expressões racistas e influenciando amigos e familiares a fazerem o mesmo. Confira os links abaixo para contribuir e acesse ao site do BLM para mais informações:

Estaremos atualizando nosso site com mais links, caso você tenha algum não hesite em enviar para nossas redes sociais. Não vamos nos calar!




Anteriormente, fora divulgada pela equipe jurídica de Johnny Depp, ex-esposo de Amber Heard, uma declaração que Laura Divenere deu ao tribunal no caso do processo de difamação que Depp abriu contra Heard, na Virgínia. Laura declarou que “Eu nunca vi a sraª Heard com quaisquer sinais de agressão física ou lesões, incluindo vermelhidão, inchaço, cortes, hematomas ou danos de qualquer tipo. Eu nunca vi Amber ferida de nenhuma forma, embora agora eu esteja ciente de que ela fez muitas denúncias de abuso diferentes.”

ENTENDA O CASO: Laura Divenere começou a trabalhar como designer de interiores da cobetura do então casal, localizada no Eastern Columbia Building, no centro de Los Angeles, por volta de Julho de 2014 até por volta de Maio de 2016. Após o divórcio, Divenere permaneceu trabalhando com Amber. A designer explica que se considera amiga de Heard, que mantém contato contínuo com a atriz e que não fala com o ator de 56 anos desde 2016. Em sua primeira declaração, recolhida pela equipe jurídica do ex-esposo de Amber para seu processo de difamação contra a atriz, aberto na Virgínia, Laura afirma: “Estive com Amber e interagi com ela com frequência nos vários dias que se seguiram após sua acusação de violência doméstica…. Incluindo pelo menos os dias 23, 24 e 25 de Maio de 2016. Naqueles dias, eu trabalhei com Amber, peguei pacotes para ela, andei de elevador com ela, eu a vi pessoalmente, mas não reparei em marcas.” – Na época de seu testemunho, Divenere também declarou que, “apesar do convívio com amigos íntimos e com a irmã de Amber, Whitney Heard, nunca se foi comentado com ela sobre nenhuma situação de agressão.”

Segundo Jeffrey Smele, um dos advogados do Jornal Britânico ‘The Sun’, contra quem Johnny abriu um processo de difamação,

“Os peticionários estão particularmente interessados em interrogar Divenere, porque entendem que ela foi pressionada a assinar sua declaração e que, consequentemente, não é uma declaração verdadeira e precisa.”

Entre as provas expostas na segunda-feira, 16/03/2020, estão algumas mensagens enviadas de Adam Waldman, advogado do ex-esposo de Amber, e a transcrição do áudio da conversa entre Amber Heard e Laura Divenere.

“Na conversa, a srta Divenere pede desculpas a Amber Heard por fazer a declaração, explica que Waldman a pressionou a fazer isso, e até pede que o time jurídico de Heard entre em contato com ela para que ela possa fazer uma nova declaração e a interroguem para saber se ela pode dizer algo em favor da atriz.” – Smele continua. “Nessa gravação de áudio, Divenere dá uma declaração totalmente diferente. Por exemplo, ela diz que nos dias seguintes a 21 de Maio de 2016, ela viu o rosto da sraª Heard parecendo inchado e vermelho, e que ela esteve chorando…”

AMBER HEARD: Enfim, você quer se sentar?

LAURA DINIVERE: Sim. Está bem. Então eu vou lhe contar o que eles estão fazendo comigo agora, o que Johnny está fazendo.

AH: Ok. O que está acontecendo, então você me enviou o gráfico da tela, mas parecia daquela tela —

LD: Aparentemente, o advogado com o qual Johnny está trabalhando estava tipo, ameaçando, se eu não respondesse ele, eu teria que literalmente — então eu fiquei tipo —

AH: O que ele disse?

LD: Isso — porque eu disse — ele primeiro me abordou, eu disse não. Eu falei, eu realmente não sei nada sobre isso. Isso não é algo que Amber e eu conversávamos, em relação ao abuso. Eu não estava lá até aquele verão, quando eu a estava ajudando a juntar as coisas. E eu sei que eu estava na África durante esse período. Bem, ele me tem em arquivo, em fotografia, entrando no prédio todos os dias, aparentemente.

AH: Ah, então não foi quando você estava na África.

LD: Não. Pois é. Ele estava tipo, então ele pensou que eu estava totalmente conspirando com você e eu literalmente entendi que eu era tipo essa pessoa mentirosa e que ele iria em frente e me intimaria.

AH: Então, como essas informações chegaram até você?

LD: Ele me contatou diretamente. Ele me ligou no telefone e então eu simplesmente não atendi. E então, na noite seguinte, ele literalmente me mandou uma mensagem. E foi então que eu disse, eu apenas implorava que não sabia de nada, que eu não fui exposta a essa parte da vida deles, ou nada nesse sentido. Eu disse que sabia que era um relacionamento difícil, na melhor das hipóteses. Eu disse, mas eu era periférica. E, de qualquer maneira, ele estava tipo — e eu disse: eu sei que aquele verão era o verão em que eu estava planejando uma grande viagem para ir à África, então eu disse, Eu nem estava lá naquele verão. E na minha cabeça, eu não estava. Faz quatro anos, então eu não sabia de nada. E então recebi uma mensagem dele mais ou menos às 3:00 da manhã, basicamente me chamando de mentirosa e literalmente dizendo, bem, então você é apenas parte do grupo conspiratório da Amber. Quero dizer, esse cara é o maior imbecil do mundo. Eu não sei como você está lidando com isso, porque eu estou tremendo há dias com isso. Então ele basicamente estava tipo, ele apenas continuou sendo realmente — eu disse, me desculpe, eu não conheço a Amber como essa pessoa de jeito nenhum. E eu acredito nela. E então ele ficou tipo, bem, você tem que sentar aí e eu preciso conversar com você por telefone. E, se não, nós a intimamos e você será deposta. Estou tipo, você está brincando comigo?

AH: Então ele disse que você vai se deposta se você não tiver uma conversa —

LD: Correto. Sem dúvida, então eu vou parafrasear o que eles disseram depois da conversa. Era mais ou menos duas horas e meia depois. Ele foi a maior imbecil que eu já encontrei na minha vida. Mas o que eles têm, de acordo com ele, eles precisavam que eu assinasse uma declaração que dizia que ele me acusou de tipo, ok, bem, que você tinha estado com Elon, James Franco. Tenho certeza que você tem — eu disse, não sei nada sobre isso. Eu disse, e sinceramente, a primeira vez que ouvi falar do Elon foi em agosto. E eu disse que a Amber era muito muito tranquila, você sabe o que, eu só quero — eu não — eu disse, eu não sei nada sobre isso. Bem, há uma foto sua levando flores para a suíte da cobertura. Eu não estou brincando com você. Não sei o que você está fazendo com isso, como está lidando com isso. E eu disse, isso não teria sido incomum. Eu teria levado. E eles disseram, você vai subir lá, e ele disse tipo, bem, você sabia que elas eram do Elon. Eu disse que não fazia ideia de quem elas eram. Que não vou ler o envelope de alguém. E então ele tentou obter essas informações de mim e eu realmente estava sendo honesta. Eu não sabia de nada. E então isso é tão —Amber, você não tem ideia. Eu absolutamente te adoro. Você sabe disso. E foi tipo, eu sentei lá e esses caras, ele é o maior imbecil sob o sol. Então ele novamente ficou tipo, você sabe, que no final, eles têm Kate sendo deposta. Ele disse, você sabe que ela está passando por TEPT (Transtorno de Estresse Pós-Traumático). O que eu não sei se ele estava mentindo. E eu fiquei tipo, ela disse que você tinha ouvido Amber gritar com ela. Eu disse, escute, a única vez que eu ouvi — porque ele estava falando tipo, eu sei com absoluta certeza. Eu disse, a única vez que ouvi Amber gritar com Kate em toda a minha vida foi uma vez durante a mudança. E eu disse, honestamente, ela tinha pisado na bola feio. E eu disse, simplesmente não tem jeito. Eu disse, além disso, não sei nada sobre isso. E ele disse tipo, bem, nós temos registro que ela te ligou chorando. E que, lembra de que eu te disse, você precisava se livrar da Kate porque ela estava me ligando bêbada. E eu disse sim. Eu disse, mas Kate é a pessoa errada. Kate sempre estragava as coisas o tempo todo. Ela estava uma bagunça. E eu não disse que ela estava bêbada quando ele estava me ligando, porque eu não queria dar mais informações sobre isso para ele. E então ele estava falando sobre quando o lugar foi lançado no mercado e eu acho que eles entrevistaram o Kevin também e eles pegaram o Kevin. Não faça isso porque eu estou bem. Então, havia algo sobre marcações rosa e ele a descrevia como uma marca rosa da casa de terror infernal. Quero dizer, ele tem um jeito de florescer as palavras. Como eu disse, o maior imbecil. E eu disse que eram coisas que estavam marcadas, eu disse, claramente havia coisas que não eram do Johnny e não estavam marcadas com rosa. Tenho a impressão de que obviamente havia um acordo concordando que tudo naquele apartamento a Amber receberia. Então não há problema com isso. E ele estava tentando me fazer dizer isso, e eu também não sabia nada sobre isso. Mas sua mãe chegou em algum momento na frente do Kevin Dees. Só estou dizendo isso para você saber. E gritando sobre levá-lo por tudo o que ele vale ou algo parecido.

AH: Espere, minha mãe?

LD: Sua mãe.

AH: Minha mãe nunca gritou.

LD: Não. Eu sei. É isso que estou falando, eu disse, só encontrei a mãe de Amber algumas vezes, isso não parece muito com o jeito dela. Se você está me perguntando se eu testemunhei isso, juro por Deus que não. Mas essas são as coisas estúpidas que estão surgindo de forma consistente. E então foi tipo, bem, você falou com a Rocky (Raquel Pennington)? Aparentemente, eles estão planejando citar a Rocky, o que tenho certeza de que você está ciente, por falso testemunho.

AH: Você não pode citar alguém por perjúrio.

LD: Eu sei.

AH: Você intima uma pessoa como parte de um processo legal.

LD: Bem, então pronto.

AH: Na verdade, ele está manipulando e coagindo as pessoas através de ameaças.

LD: Ele está manipulando completamente.

AH: Sem que as pessoas sejam esclarecidas sobre a lei, eles estão ameaçando as pessoas e coagindo declarações delas.

LD: Eu sei. Sim.

AH: E as pessoas podem realmente ser enganadas, se você não sabe nada.

LD: Certo, eu sei disso. Eu entendo. E ele está falando sobre, bem, você sabe sobre [INAUDÍVEL 00:07 25]. E eu disse, eu não sabia disso. Então ele é fala tipo, bem, agora que você sabe sobre isso. Eu disse tipo, bem, ótimo.

AH: Ele acabou de lhe contar.

LD: Ele acabou de me dizer. Eu sei. Mas é isso que estou dizendo.

AH: Nada do que ele diz — é tudo manipulação.

LD: Eu sei que é. Então, basicamente —

AH: Quero dizer, esse cara literalmente disse que me tem na câmera, o engraçado é que nunca vimos essa filmagem. Nós vimos eu de pé em um elevador, mas eles literalmente inventaram essa coisa sobre a Whitney praticando me bater no corredor e eles têm isso na câmera. Como se essa fosse a origem das contusões. Eu fico tipo, ah, claro, bem, onde estão essas filmagens? Tipo, ele literalmente acabou de inventar isso. É literalmente apenas invenção.

LD: É horrível. É horrível. Quero dizer, eu não durmo há noites porque simplesmente não sabia como lhe dizer que agora isso foi trazido a pauta e eu tenho que ir em frente e te falar sobre todas essas informações. Então ele basicamente disse: se eu não assinar uma declaração — mas ela não declara nada sobre você. É somente que eu estou ciente do [INAUDÍVEL 00:08:28]. E eu disse, bem, não, eu não estou. Mas eu te contei no outro dia, então isso está lá. Se eu não assinasse, seria deposta e ele disse tipo, que seria de $15.000 a $ 20.000. Então, estou lhe dizendo agora, porque eu preciso que você saiba disso, e preciso que seus advogados me chamem para que eu faça uma declaração também e me questionem para que eu possa dizer algo a seu favor, porque ele não está me dando nenhum — Eu gostaria de explicar as coisas. Como ele disse, bem, você estava lá em cima. Eu disse, sim, mas isso não significa que eu estava com a Amber preparando esse enredo enorme. Eu disse, fico com a Amber por 5, 10, 15, minutos, meia hora no máximo e estamos lá — eu estou lá para trabalhar. E então eu não sei nada disso. E foi tipo, bem, você precisa de um sim ou um não. Então você não está familiarizada sobre o funcionamento do sistema judicial. Eu digo que não. Eu nunca estive em um tribunal. Então, eu fui literalmente forçada a assinar uma declaração que novamente não diz — é a coisa mais simples que se pode imaginar, mas não posso pagar US $ 20.000 porque nem sei o que está acontecendo com Elon no momento. Mas preciso que seus advogados se sentem e elaborem uma declaração para que eu esteja a seu favor, para que isso anule qualquer coisa. Porque eu não vi — porque ele disse tipo, bem, você a viu completamente – você a viu absolutamente espancada. E ele estava usando uma analogia tipo de que o braço dele tinha sido arrancado. E eu disse que ela estava visivelmente chateada o tempo todo. E eu disse, que veio de um lugar absolutamente verdadeiro. Bem, e então ele ia em frente e dizia alguma outra invenção completa. Tipo, eu senti que minhas mãos estavam completamente atadas e não havia nada que eu pudesse dizer para ressuscitar a situação. E eu estava tipo, faça o seu pior. Então ele fez a coisa idiota da declaração e eu continuei expurgando e expurgando as coisas. E então ele simplesmente não fazia mais nada. Então é realmente baunilha (simples) e eu mostrarei a você o máximo que puder, mas quero que seus advogados me liguem e literalmente me deixem fazer uma declaração para você, porque não sei mais o que fazer. Estou literalmente com o coração partido por causa disso, porque não posso sentar lá porque nunca tivemos — você sabe, eu não tinha conhecimento de nenhum desses acontecimentos de antemão. Quero dizer, foi literalmente depois. Você sempre escondeu de mim.

AH: Não é sua culpa. Você não sabia. Eu escondi isso de todo mundo.

LD: Eu sei, Amber.

AH: É o que as pessoas fazem. Mas depois, depois do divórcio, logo após o incidente, meu olho estava — você viu meu rosto?

LD: Eu só vi seu rosto quando estava inchado e vermelho, mas não vi nenhum — naquele momento não havia nada lá. E eu apenas disse — e eu disse, eu não me lembro disso. Eu disse, se você está perguntando — porque ele estava tipo, eu não estou perguntando, eu estou dizendo — ele estava me dizendo que não foi o telefone que foi jogado em você. Que você disse que Johnny havia espancado fisicamente você depois. E eu disse, novamente, eu não passei nenhum tempo com você. Eu tenho uma aparência nova, se soubesse o que estava acontecendo, teria literalmente olhado para você com mais intensidade e não sabia. Você estava apenas — eu disse, você estava meio que um desastre naquela época e devastada. Mas eu não te vi naquele momento em que — ele estava tipo, ela devia estar toda roxa e azul. Você viu alguma marca roxa e azul? Não, eu não vi roxo e azul, mas ela estava toda inchada e vermelha e chorando. Então é a isso que chegamos.

AH: Quantos dias depois da ….?

LD: Ele disse que era assim — e de novo, faz quatro anos, então eu nem pude encontrar com certeza. Sinceramente, pensei que estava na África e pensei que te encontrei depois. Ele tem as datas. Eu nem sei as datas, mas ele jogou e estava falando que você estava lá em — e eu estou parafraseando porque eu não sei, tipo nos dias 23, 24, 25. E então você tem no dia 28. E então houve um evento em dezembro, que ele queria que eu desse e eu disse: eu não sei nada sobre isso. Então, por favor — ele disse tipo, bem, temos você lá em cima no dia 15. Aí eu disse, mas talvez eu nem tenha encontrado a Amber. Quero dizer, muito raramente eu encontrava a Amber, mas eu disse, eu nunca vi o Johnny. E ele disse: aqui está a beleza disso. Bem, acontece que Johnny pensa que você é uma pessoa muito legal e ele não quer intimar você, mas se for o caso, ele o fará. E eu digo tipo, bem, quão legal ele pode ser se está fazendo isso, você entende. De qualquer forma, eu apenas —

AH: Depois que eu pedi o divórcio, quero dizer, depois que eu pedi a ordem de restrição, você estava por perto muito nessa época.

LD: Eu estava por perto.

AH: Eu estava pensando se você — você está dizendo que não sabia o que estava acontecendo?

LD: Não. Eu disse que sabia o que estava acontecendo. Ele queria saber se eu te contei imediatamente. E eu disse, não me lembro disso, porque não me lembro de ter visto você diretamente após o incidente. Ele me tem em um elevador e é isso, e eu não sei. Se isso fosse três anos atrás, eu teria muito mais clareza quanto ao tempo de referência. Você está vivendo esse pesadelo há quatro anos seguidos. Não tenho minhas datas claras. E isso é —

AH: Mas depois disso, depois que eu solicitei a ordem de restrição — você está dizendo que sabia por que eu pedi uma ordem de restrição? Eu pensei que isso estava sendo bastante comentado.

LD: Ele não falou sobre a ordem de restrição. Ele nunca mencionou isso. Tudo o que ele mencionou foi se eu já conversei — se você alguma vez já conversou comigo sobre ter sido abusada.

AH: Depois?

LD: Antes. E depois também.

AH: Então ele disse especificamente antes e —

LD: Ele estava mais interessado no antes.

AH: Bem, é claro.

LD: Certo. E então ele também perguntou se eu já falei sobre isso com o IO ou a Rocky e eu disse não. Eu disse, eu sempre perguntava se ela estava bem, como ela está indo, mas essa era a nossa conversa. Sabe, eu raramente conversava com a Rocky ou com o I0, a não ser apenas coisas superficiais, como o que você está fazendo e esse tipo de coisa. Então, eu estava sendo muito honesta porque eu não sabia — eu não quero ficar lá e cometer perjúrio e não tenho uma boa memória do período de tempo, então eu não sabia quando foi, eu disse. Eu disse que eu sei que falei sobre isso com Amber, mas se você está me perguntando quando eu falei sobre isso com a Amber, sinceramente não me lembro. Se você está me perguntando, se eu falei sobre isso nos dias 23 ou 24, meu chute é que é provável. Mas estou sendo sincera, não me lembro porque já faz quatro anos e não consigo lembrar a data certa. Ele disse, bem, então vamos em frente e vamos sentar lá e depor você. Eu disse, você pode sentar lá e me depor agora depois de tudo isso, mas não vou poder te contar mais nada, com toda a honestidade. Eu disse, eu nunca tive nada além de um relacionamento incrível com ela.

AH: Comigo?

LD: Com você. E eu disse, então — se eu já entrei em uma discussão. E ele veio perguntando, como está o seu relacionamento com Johnny. Eu disse, estava bem. Foi absolutamente agradável. Eu disse, mas realmente não tive nenhuma interação com Johnny. Eu conheço Amber há oito anos. Então, você sabe —

AH: Você — você já me viu — quando você estava falando sobre a Kate antes, quero dizer, você acha que eu fui verbalmente abusiva com ela?

LD: Não. Eu literalmente disse que não.

AH: Porque lembro que você foi a que mais defendeu eu demiti-la.

LD: É o que estou dizendo. Mas esse cara não quer essa informação e eu disse isso a ele também. Eu disse, literalmente, a única vez que a ouvi a Amber levantar a voz foi naquela conversa por telefone — porque a Kate tinha sido trazido à tona, e é por isso que foi mencionada. Porque estava falando tipo, bem, você estava visivelmente ciente. Eu disse que a única vez que estive foi quando houve uma mudança. Kate estragou tudo. Você precisa — e então ele continuou e disse: Kate ligava para você. E eu disse que sim. Eu disse, ela não era adequada para o trabalho e ela errava muito. Eu disse, ela nem deveria estar trabalhando com Amber. E isso foi algo que eu disse literalmente. Ele está apenas querendo — porque aparentemente a Kate quer algum tipo de vingança, nada chocante, para ir contra você. Então, mais uma vez, preciso que seus advogados vão lá e digam, ok, explique a relação da Kate. Porque eu te defenderei mil vezes até domingo.

AH: Só estou interessada na verdade. Não estou interessada em manipular ninguém ou nada disso.

LD: Eu sei.

AH: Só quero deixar claro que você não me viu sendo fisicamente ou verbalmente abusiva com a Kate.

LD: Não. A única vez, e novamente ela que mencionou —

AH: Mas você acha que eu fui verbalmente abusiva com ela?

LD: Não. Eu disse que estava gritando no telefone porque todo mundo tinha ouvido falar disso. Eu te falei sobre aquele incidente.

AH: Sobre isso, exatamente como um incidente.

LD: Sim. Só um incidente. Eu disse nunca, nunca mesmo eu ouvi algo — e aí ele disse, bem, você ficaria chocada de ouvir que ela tem TEPT e está participando de reuniões por isso. Eu disse tipo — por um lado, eu ficaria e por outro não, porque ela é completamente pirada. Mas claro que ele não quer ouvir nada desse tipo. E aparentemente, Kevin Dees aparentemente não é um cara legal. Ele é o corretor de imóveis que estava mostrando o local. Você não chegou a realmente conhecer ele, eu acho.

AH: Eu não sei quem ele é —

LD: Eu acho que você teve uma discussão com ele sobre as cortinas. Lembra?

AH: Discussão? Eu nem conheci ele.

LD: Eu quero dizer, tipo, foi uma discussão porque as cortinas tinham sido levadas e ele era o cara que estava tentando pegar-las de volta para a pessoa que havia comprado.

AH: Ah, mas eu nem falei com ele.

LD: Ah, entendi. Então não faço ideia, mas ele é o outro que está dizendo toda essa porcaria. Então isso é só o que eu sei, que o advogado estava me falando.

AH: Aí depois, quando você estava por perto depois da ordem de restrição, porque pelo que eu me lembro nós passamos bastante tempo juntas. Quero dizer, eu estava —

LD: Estávamos montando seu escritório de volta. O camarim estava bem. E nós estávamos pendurando coisas e colocando as coisas de volta na sala de estar para deixá-la mais como uma casa.

AH: Eu apenas estou tentando pensar — quero dizer, o que —

LD: Mas eu não sei quando isso foi. Esse é o problema. Eu não tenho lembrança disso. Sinceramente, pensei que era julho em algum momento, mas não sei. Eu gostaria que tivessem me perguntado isso há três anos.

AH: Você procurou no seu —

LD: Não tenho nada. Troquei meu telefone duas vezes e tenho um novo notebook. Então não sei onde rastrear nada.

AH: Ah, e você não fez backup?

LD: Não. A única coisa que fiz backup foram as fotografias do trabalho.

Matéria: The Hollywood Reporter.
Tradução: Equipe Amber Heard Brasil.




ALERTA DE GATILHO: comentários sobre agressões físicas em detalhes explícitos e aterrorizantes, sendo assim, pode causar desconforto e desencadear fortes emoções. Se você é sensível a este tipo de conteúdo, por favor, não leia.

 Johnny Depp mandou uma mensagem para seu médico, admitindo que cortou seu próprio dedo depois de um ataque a Amber Heard, o Tribunal Superior ouviu hoje, em novo desdobramento no caso de difamação do ator contra o jornal The Sun.

Depp havia alegado, anteriormente, em documentos judiciais dos EUA que sua ex-esposa Heard seria a responsável por cortar a parte superior do seu dedo médio direito jogando uma garrafa de vodka nele durante uma briga violenta apenas um mês depois do casamento, além de apagar uma cigarro em seu rosto, em 2015. 

Porém, mensagens de texto divulgadas pela primeira vez nesta quarta-feira (18 de março) foram lidas no Tribunal Superior de Londres, em que Depp admite para seu médico pessoal, David Kipper, em 2015, que ele mesmo infligiu a ferida.

A admissão de Depp nas mensagens de texto para seu médico corrobora a declaração de Amber Heard sobre o ataque sofrido pela atriz em março de 2015, do qual resultou a lesão ao dedo de Depp.

O tribunal também ouviu um relato arrepiante do ataque acontecido em março de 2015, onde Depp, 56, supostamente arrancou a camisola de Heard, de 33 anos, a agarrou pelos seios e depois pelo pescoço e a estrangulou.

Johnny Depp, supostamente prendeu Amber Heard contra uma mesa de pingue-pongue e a estrangulou, durante o ataque que ocorreu na Austrália, em 4 de março de 2015. Durante esta briga violenta, o ator cortou ponta do próprio dedo e mandou uma mensagem para seu médico perguntando o que fazer. 

Em 07 de março de 2015, Depp escreveu:

“Cortei a ponta do dedo médio. O que devo fazer? Exceto, é claro, ir ao hospital.”

Estou tão envergonhada por ter me envolvido em qualquer coisa com ela. F***-se o mundo. JD ..”.

Em nova mensagem enviada 12 dias depois, Depp escreve para seu médico:

“Obrigado por tudo. Cortei meu dedo médio esquerdo como um lembrete de que nunca deveria cortá-lo novamente.”

Eu te amo, irmão. Johnny”. 

As mensagens de texto foram lidas na corte de Londres como parte dos procedimentos de uma batalha de difamação contra o jornal britânico The Sun em resposta ao artigo do colunista Dan Wootton, publicado em 2018, que descrevia o ator como um “espancador de esposas”. Depp nega veementemente atacar Heard e alega que de fato ele é vítima de violência doméstica.

Diz-se que ambos estão ansiosos para iniciar o julgamento na segunda-feira, 23 de março, mas o juiz Nicol manifestou preocupação com vários advogados e a imprensa compartilhando o mesmo tribunal, devido à pandemia do coronavírus. Espera-se que o juiz decida sexta-feira de manhã se o caso continuará segunda-feira.

Adam Wolanski, QC, representando o The Sun e seu colunista Dan Wootton na batalha de difamação contra o ator descreveu os eventos de 4 de março de 2015. Ele disse:

“Naquela noite, o queixoso empurrou a srta. Heard em uma mesa de pingue-pongue, jogou garrafas através dos painéis das janelas de uma porta de vidro, depois agarrou a srta. Heard e arrancou sua camisola.”

“O queixoso agarrou a srta. Heard pelo pescoço e a estrangulou contra a geladeira.”

O queixoso zombou dela, enquanto a tocava e a agarrava pelos seios e a empurrava repetidamente contra a geladeira.”

O queixoso então agarrou a srta. Heard pelo pescoço e clavícula, bateu-a contra a bancada e a estrangulou.”

O tribunal ouviu que, no início de 2013, houve outra briga entre o casal agora divorciado, no qual Depp caiu de joelhos e começou a chorar culpando um ‘monstro’ que vivia dentro dele.

Em 15 de dezembro do ano passado, a Srta. Heard fez uma declaração de testemunha sobre a disputa.

Sr Wolanski, resumindo a declaração, disse:

“Ele disse que estava arrependido e não faria isso de novo. Ele pensou que tinha matado aquela outra pessoa. O monstro como ele chamava. Ele disse que era uma doença. Ele culpava suas ações à uma terceira pessoa auto-criada.”

O juiz Nicol determinou que as evidências de dois psiquiatras com quem Depp se consultou agora teriam que ser divulgadas ao The Sun. O ator falou com a Dra. Amy Banks pelo skype duas vezes, custando £ 1.000 e também consultou-se com Dr. Alan Baulstein entre 2012 e 2016.

Para esclarecer, Depp também está processando Heard por difamação nos EUA após a atriz escrever um artigo no Washington Post descrevendo sua experiência como vítima de abuso doméstico, sem nomeá-lo. Depp afirma que o artigo insinuou que ele era o agressor dela e por lhe custou o papel de Capitão Jack Sparrow em “Piratas do Caribe”.

Já no caso que se desenrola no tribunal inglês, Depp acusa de difamação a NGN e o colunista Dan Wootton devido a publicação de um artigo no The Sun em abril de 2018, sob o título “Gone Potty – Como JK Rowling pode estar ‘genuinamente feliz’ escalando o espancador de esposa Johnny Depp para o ​​elenco do filme Animais Fantásticos?”

Em um comunicado, um porta-voz de Heard disse:

“Heard obteve uma ordem de restrição de violência doméstica de um juiz em 2016. Quatro anos depois, Depp a arrastou para prestar depoimento a um tribunal em Londres e a submeteu a julgamento pela mídia. Como hoje mostrou, as provas no tribunal acabarão falando por si só.”

Os advogados de Depp contestaram a precisão dos fatos que poderiam prejudicar seu caso, dizendo que o juiz foi enganado e acrescentando:

“O que o tribunal ouviu hoje não foi evidência – foi a mais nova história de Amber Heard sobre um ‘estourar noturno.”

“Os fatos importam. Na realidade, como mostram os registros hospitalares e os testemunhos oculares, a história de ataque de Amber Heard não poderia ter ocorrido na noite de domingo, 8 de março de 2015, como ela alega.”

“Como Johnny Depp foi ao hospital no início da tarde de 8 de março de 2015 para recolocar o dedo que Amber Heard cortou e o Sr. Depp não a viu novamente na Austrália.”

“Nossos oponentes estão tão perdidos em suas mentiras que nem conseguem acertar sua sequência falsa de eventos, horários ou datas”.

A advogada de Amber Heard, Roberta Kaplan, disse:

“Amber Heard está muito ansiosa pelo julgamento do Reino Unido.”

“Na preparação para o julgamento, Depp e sua equipe têm se envolvido em uma campanha diária da imprensa para vazar seletivamente os materiais, distorcê-los de todas as formas possíveis e envergonhar e assediar Amber e as pessoas ao seu redor, incluindo possíveis testemunhas.”

“Srta Heard acredita que a verdade vindo à tona através da apresentação de provas no tribunal finalmente acabará com essa campanha abusiva.”

“Se necessário testemunhar pessoalmente, a Srta. Heard viajará para Londres se tiver permissão legal para fazê-lo, apesar do risco para sua saúde e segurança, devido a pandemia em andamento.”

“Caso contrário, a Srta. Heard garantirá que ela esteja disponível para testemunhar a qualquer momento por chamada de vídeo. ”




Eu sabia desde cedo que não era hetero. Mas, crescendo em uma pequena cidade do Texas, também sentia que, por alguma razão, quem quer que eu fosse, não estava certo. Não havia uma única pessoa que eu pudesse ter como referência que fosse abertamente queer, então eu não tinha ideia de como entender meus sentimentos. Como muitas crianças, eu ansiava que alguém dissesse: “Amber, você não está quebrada. Você é linda do jeito que você é.”

Na semana passada, senti essa dor novamente quando meios de comunicação disseram que um trio de casos perante a Suprema Corte era apenas sobre pessoas “gays e transgêneros”. A realidade é que as pessoas bissexuais e pansexuais – que compõem o maior segmento da comunidade LGBTQ+ – têm o mesmo em jogo.

Quando eu tinha 19 anos, finalmente encontrei uma heroína em Alana Flores e duas outras adolescentes lésbicas que estavam gerando manchetes nacionais a centenas de quilômetros de distância, na Califórnia. O trio recrutou a ajuda da ACLU para processar seu distrito escolar por permitir que a homofobia e a discriminação desenfreadas passassem sem controle. Em um incidente, um grupo de estudantes supostamente gritou: “Todos as ‘sapatões’ deveriam morrer e você não deveria existir.” Apesar dos anos duradouros desse abuso, Flores e suas amigas se recusaram a desaparecer, resultando em uma das primeiras decisões judiciais reconhecendo os direitos dos jovens LGBTQ+. O caso inspirou minha primeira doação de caridade, e a coragem delas me marcou e me acompanha até hoje.

Quando mudei do Texas para Hollywood, eu, como muitos atores não assumidos publicamente, senti pressão para adotar o mantra “Minha vida privada é privada.” No entanto, à medida que minha visibilidade como atriz aumentava, aumentava também meu crescente senso de responsabilidade de viver abertamente como sou e para reconhecer o privilégio de ser branca, cisgênero e “aceitável”. Eu estava me apaixonando por uma mulher ao mesmo tempo em que meu nome estava se tornando conhecido.

Mesmo em Hollywood, ser fiel a mim mesma custava um preço. Alguns produtores não pensavam mais que eu era uma escolha apropriada para um papel que envolvia atração masculina. No entanto, como me encaixo em muitas ideias sobre ser uma mulher atraente, outros produtores me consideraram inapropriada para outros tipos de personagens.

Eu aprendi rapidamente que todo mundo tem uma idéia sobre o que significa ser uma mulher – a quem você deve amar, como deve se vestir, as palavras que deve usar para se descrever. Ser casada com uma mulher não negava meus relacionamentos anteriores ou futuros com os homens; portanto, quando me recusei a usar a palavra “lésbica”, recebi uma reação negativa de mulheres que experimentavam uma escassez de representação lésbica e por isso qualquer nuance de sexualidade ou gênero era desconsiderada.

Às vezes, até passear por Los Angeles vinha com assédio verbal. Minha ex-esposa e eu fomos cuspidas uma vez. Outra vez, alguém jogou um copo vazio em nós. Para muitas pessoas trans, principalmente mulheres negras e pardas, esse tipo de assédio geralmente leva à violência e à morte.

Mas a discriminação não tem linhas estatais. Em um estado, nos foi recusada moradia. Em outro estado, fomos convidadas a deixar um restaurante. Uma vez, fomos até assediadas por uma autoridade policial quando descobriu que compartilhávamos o sobrenome.

Essa discriminação é exatamente o motivo pelo qual os casos LGBTQ + da Suprema Corte de pessoas que foram demitidas por causa de quem são, têm importância e por que não podemos deixar ninguém na comunidade LGBTQ+ fora dessas conversas.

Um dos casos envolve Aimee Stephens, diretora de funerais demitida, em essência, por ser uma mulher trans. Em 2018, o Tribunal de Apelações do Sexto Circuito decidiu com razão que Stephens foi demitida ilegalmente e que a lei federal protege nossos irmãos e irmãs trans. Juntamente com o caso de Stephens, o tribunal está analisando o caso de Gerald Lynn Bostock, coordenador de bem-estar infantil cujo empregador o demitiu ao descobrir que ele era gay. (O empregador nega que Bostock tenha sido demitido por esses motivos.) E decidirá se a empresa que contratou Don Zarda, que disse que foi demitido de seu emprego como instrutor de paraquedismo em Long Island após revelar sua orientação sexual, estava dentro do seu direito de fazer isso.

Imagine se você fosse uma pessoa bissexual e, quando for contratado, coloque uma foto da sua namorada em sua mesa. Esse relacionamento termina, um novo começa e uma nova foto aparece. E se você for demitido porque o gênero do seu parceiro mudou?

Isso não é tudo. Essa ideia restrita do que significava ser uma mulher que me foi forçada – e se qualquer empregador pudesse fazer disso um requisito para conseguir um emprego ou uma promoção? Isso é exatamente o que o governo Trump pediu à Suprema Corte para permitir.

Como Alana Flores, Aimee Stephens e tantas outras pessoas LGBTQ+ me mostraram, a visibilidade é importante.

O governo Trump está pedindo que o tribunal decida contra proteções legais para a comunidade LGBTQ+ – minha comunidade. Isso poderia acabar com as proteções por que Alana Flores lutou tanto, décadas atrás e reverter as proteções legais que foram tão críticas para as pessoas trans.

Isso é mais do que leis – é sobre o que nosso país acredita sobre nossa humanidade básica. Pesquisas e o arco da história mostram que a maioria dos americanos, independentemente de sua afiliação política, quer viver em um país onde as pessoas podem ganhar a vida independentemente de quem são.

As pessoas LGBTQ + merecem um governo que nos proteja e envie a mensagem de que não estamos quebrados. Porque nós não somos. Nós somos maravilhosos do jeito que somos. E nós temos direitos.

Matéria: Teen Vogue | Tradução e adaptação: Equipe Amber Heard Brasil







layout desenvolvido por lannie d. - Amber Heard Brasil