Seja bem-vindo ao Amber Heard Brasil, a sua maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz no Brasil. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Somos um site sem fins lucrativos criado e mantido por fãs e não possui qualquer ligação com Amber Heard, sua família ou seus representantes. Todo o conteúdo original aqui apresentado pertence ao site a não ser que seja informado o contrário. Nenhuma violação de direitos autorais é pretendida, nós NÃO reivindicamos ou possuímos direito de propriedade sobre nenhuma das fotos em nossa galeria, as mesmas pertencem aos seus respectivos donos legítimos e estão sendo usadas de acordo com a Fair Use Law § 107.

Amber Heard dá as boas-vindas secreta a sua filha, Oonagh Paige Heard via barriga solidária.

Amber Heard é mamãe!

A atriz de 35 anos, está celebrando o nascimento de sua filha — meses após seu ex marido perder seu caso na justiça envolvendo seu nome.

Uma fonte disse exclusivamente ao Page Six na quinta-feira que Heard está “absolutamente apaixonada” por sua filha, Oonagh Paige, a quem nomeou em homenagem a sua falecida mãe, Paige.

Oonagh nasceu dia 8 de Abril de 2021 com ajuda de uma barriga solidária, depois que foi dito a Heard que ela não seria capaz de ter filhos por conta própria, amigos revelaram.

Uma fonte que a conhece diz: “Oonagh é absolutamente linda, e Amber está nas nuvens. Ela sempre quis ser mãe é esse é seu maior sonho a se tornar realidade. Ela é imensamente grata a mulher que a ajudou a trazer Oonagh a sua vida”

“E a coisa mais importante é que Amber está aberta a falar sobre o nascimento de Oonagh” a fonte continua “Tem tantas mulheres que sentem que não podem falar sobre sua infertilidade e se sentem preocupadas ou envergonhadas; Amber quer que elas se sintam abraçadas e percebam que há várias opções de ter bebês mesmo se você tem problemas de fertilidade”

[…]

Heard está atualmente num relacionamento com a fotógrafa Bianca Butti, com quem está desde janeiro de 2020 mas fez a decisão de ter um bebê em seu próprio tempo algum tempo atrás e está “orgulhosa” de ser a mãe “legal” de Oonagh, nos foi dito.

Fonte. | Tradução e adaptação: Equipe Amber Heard Brasil.

A equipe do AHBR deseja à Amber e seu pequeno anjo tudo de melhor nessa nova fase de sua vida.




Por Maureen Callahan

Por que Johnny Depp ainda está sorrindo?

Talvez porque a Internet tenha decidido que Depp já ganhou este julgamento. Assim como Chris Rock, que disse no palco na semana passada que sim, devemos “acreditar em todas as mulheres, mas não em Amber Heard”.

Uau.

Amber Heard não é uma vítima perfeita. Mas adivinhem? Não existem vítimas perfeitas.

Qualquer um que se lembre do testemunho das vítimas de estupro de Harvey Weinstein – algumas das quais continuaram a fazer sexo consensual com Weinstein após seus ataques, que lhe enviaram e-mails calorosos, um até escrevendo que esperava apresentar Weinstein à mãe – pode atestar isso.

Então, por que tanto ódio por Heard? Por que há tão poucas vozes feministas defendendo-a?

Na segunda-feira, ela testemunhou que Depp, mais de uma vez, agarrou-a pelo osso púbico e “me provocou, me perguntando se eu achava que eu era tão durona – ‘durona como um homem agora?’

Amber Heard tem mais recall, detalhes e recibos do que Christine Blasey Ford já teve. No entanto, enquanto Blasey Ford se tornou uma cause célèbre imediata, um meme da verdade ao poder misógino, uma métrica da boa fé feminista liberal, Amber Heard tornou-se uma piada.

Como isso é justo? Ou lógico?

E, na verdade, é Depp quem é a piada aqui: o pretenso mais legal dos descolados, um homem de 58 anos colorindo no tribunal enquanto fotos dele cochilando, desmaiado no chão, são colocadas em evidência. Como ouvimos testemunhos de que seu abuso de drogas e álcool o tornou incontinente e sem seguro. Enquanto ele sorri e ri enquanto Heard testemunha abusos horríveis, Depp forçosamente revistando sua vagina por cocaína e, em outro incidente, estuprando-a com uma garrafa de bebida.

Todos esses detalhes são extremamente específicos e humilhantes, e só reforçam a credibilidade de Heard. Afinal, é difícil manter as coisas pequenas em ordem quando você está contando muitas grandes mentiras.

No entanto, a narrativa predominante, ainda, é que este julgamento está reabilitando a imagem de Depp, salvando sua carreira e reivindicando sua reputação.

Não é. Depp acabou.

Não acredite em mim? Vamos revisitar esta matéria de capa no The Hollywood Reporter, que foi veiculada em dezembro de 2020, um mês depois que Depp perdeu seu processo por difamação no Reino Unido – que o declarou, essencialmente, um espancador de esposa.

“Ele é radioativo”, disse um chefe de estúdio ao THR. “Você simplesmente não pode trabalhar com ele agora.”

Isso não se deve apenas à sua raiva, disse a revista, mas à “insaciável sede de vingança” de Depp.

Outro chefe de estúdio chamou Depp de “uma enorme dor de cabeça… a descoberta que saiu nesse julgamento por si só seria suficiente para assustar qualquer estúdio.”

“Eu o uso como modelo para dizer aos meus clientes o que não fazer”, disse um alto gerente de crise à revista. “Não é o caso de dar um tiro no próprio pé. Ele deu um tiro no próprio rosto”.

No entanto, dia após dia, as fãs de Depp inundam o tribunal e olham amorosamente para a parte de trás de sua cabeça. Eles trazem presentes que ele nunca vai abrir. Eles zombam de uma mulher em quem se recusam a acreditar – mesmo que relatos falsos de violência doméstica sejam extremamente raros.

O que esse julgamento fará com as mulheres que já têm medo de denunciar seus agressores?

“Quando eu entro no tribunal. . . a maioria são mulheres”, disse o repórter de Law & Crime, Jesse Weber, ao Mediaite. “Quando ouvi. . . estava testemunhando, ouvi muitas pessoas rindo, fazendo comentários sarcásticos e rindo. . . Na verdade, observei um dos oficiais do tribunal indo até um grupo de apoiadores de Depp no ​​tribunal e dizendo-lhes para se acalmarem, para mostrar respeito à testemunha no banco”.

É um truísmo triste que ninguém é tão duro com as mulheres quanto as outras mulheres. Considere que um júri majoritariamente masculino condenou Harvey Weinstein.

Quatro homens e três mulheres fazem parte do júri de Depp.

Enquanto Heard, no depoimento, explicou como ela aprendeu a cobrir seus hematomas – “O segundo dia para mim sempre foi o mais complicado; é quando você tem mais sensibilidade. . . hematomas não gostam de ser tocados”, Depp se inclinou para seu advogado e sorriu.

Por que esse testemunho vil consistentemente provoca desprezo de Johnny Depp?

Se você acha que Heard está dizendo a verdade ou não, qualquer pessoa que já tenha sido vítima de violência doméstica lhe dirá: nada disso é engraçado.

E por que o juiz não repreendeu o comportamento de Depp? O que nós, como mulheres, devemos tirar desse endosso tácito de seu comportamento?

O depoimento de segunda-feira terminou com uma das advogadas de Depp – não pode ter sua primeira cadeira, um homem, ir atrás da mocinha, estou certo? – martelando Heard sobre sua promessa de doar seu acordo de divórcio para instituições de caridade, doações ainda não cumpridas, que de acordo com Heard e advogados, as doações poderão ser feitas em um curso de 10 anos já que foram divididas em parcelas, algo muito comum para grandes quantias.

Claramente, o ponto é estabelecer Heard como um mentirosa. Para o time Depp ela parece estar mentindo sobre isso? Sim. Isso significa que ela está mentindo sobre o abuso de Depp? Não.

As duas coisas podem ser verdadeiras ao mesmo tempo. Não peça a Amber Heard para ser uma vítima perfeita.

Mas quanto a um vilão perfeito – bem, Johnny Depp está fazendo alguns de seus melhores trabalhos em anos.

Matéria: New York Post | Tradução e adaptação: Equipe Amber Heard Brasil




Por Raven Smith 

Por onde começar com a fossa online que é Depp vs Heard? A menos que você tenha vivido debaixo de uma pedra nas últimas semanas, você saberá que os ex-cônjuges estão de volta ao tribunal. Johnny Depp está buscando uma indenização de US$ 50 milhões depois que Amber Heard escreveu um editorial para o The Washington Post em 2018, no qual ela falou sobre ser vítima de abuso doméstico (sem nunca citar explicitamente Depp). As minúcias que estão sendo vasculhadas no julgamento passaram a parecer menos como um processo e mais como um exorcismo torturante do passado, um varrer completo e doloroso sobre as brasas de seu envolvimento de quatro anos.

Os detalhes dos depoimentos de Depp e Heard são angustiantes por si só – horríveis, violentos e contendo anedotas profundamente íntimas sobre o relacionamento deles. De um modo geral, os depoimentos de testemunhas podem ser persuasivos e, com dois atores no banco dos réus, nunca podemos ter certeza da verdade absoluta. Ainda assim, apesar do fato de que o Supremo Tribunal de Londres já havia considerado as alegações de que Depp era um “espancador de esposas” como “substancialmente verdadeiras”, a internet parece ter escolhido esmagadoramente o lado de Depp. Na semana passada #JusticeForJohnnyDepp foi tendência no Twitter; ontem, foi #AmberTurd.

Vá nas redes sociais e o sentimento anti-Heard é palpável. Os memes têm sido ferozes, às vezes consistindo em uma comparação pontual com vítimas de abuso doméstico; em outros momentos, imagens do tribunal foram apropriadas para zombar abertamente de sua aparência. É pura misoginia. A empresa por trás da maquiagem que Heard usou como exemplo da paleta que costumava esconder seus hematomas até fez um TikTok contestando suas alegações. Heard está sendo sistematicamente zombada e ridicularizada como uma criminosa medieval no estoque enquanto cataloga abusos históricos, enquanto ela alega estupro. Perdemos completamente a noção da gravidade dessas alegações?

Todos nós entendemos que os fãs de Depp ficarão do lado de Depp. Mas mesmo os menos agressivos de Depp querem acreditar que o pirata caribenho é inocente – se não completamente limpo, pelo menos sob a coação do vício em drogas ou agindo fora do personagem; que sua violência pode ser um pouco explicada por um lapso de julgamento ou circunstância ou ambos. Certamente não queremos acreditar que todo esse processo judicial seja uma operação precisa e conivente para desacreditar Heard, independentemente do que ela tenha a dizer, independentemente de sua verdade.

Não quero pensar no que isso está dizendo às vítimas de abuso que estão pensando em se apresentar. E independentemente do que Heard sofreu ou não nas mãos de Depp, o meme implacável dela não é uma forma de violência em si? A surra das redes sociais não é um tipo de agressão psicológica? Não estamos testemunhando um julgamento de bruxa moderno?

Algumas semanas a internet está flutuando, todos nós mantidos à tona por vestidos idiotas e casamentos Kardashian e atores da Marvel dizendo que nunca estiveram na mesma sala. Outras semanas, parece muito pesado. Estamos vendo as pessoas buscarem ativamente o humor no abuso doméstico enquanto Roe v. Wade é aterrorizado por pró-vida e vemos ainda mais episódios de violência racialmente agravada. Vamos nos reunir, sempre nos reunimos, mas aqui, agora, parece uma merda.

Passo muito tempo me perguntando se todo mundo perdeu o enredo – se a erosão da empatia que vemos online nos tornou tão inerentemente cruéis como espécie que não há retorno. Não quero me desesperar pela humanidade. Eu quero acreditar que alguns de nós estão offline e levemente compassivos ou compassivos de uma maneira que não é twittada – que vocês estão sendo gentis uns com os outros e estou relatando sobre um pequeno grupo de usuários da internet com forquilhas.

Embora eu tenha me sentido indo em direção a isso, não posso mais achar que foi “ambos os lados” isso. É hora de traçar uma linha. É hora de acreditar nas mulheres – todas as mulheres. É hora de acreditar em Heard. Os tribunais britânicos acreditavam que Depp espancava sua ex-mulher. O que está parando o resto de nós?

Matéria: Vogue | Tradução e adaptaçao: Equipe Amber Heard Brasil




Amber Heard afirma que um homem extremamente famoso abusou dela por anos. Por que tantas pessoas a odeiam por isso?

Por Claire Lampen

Na semana passada, Amber Heard depôs em seu julgamento por difamação, testemunhando sobre seu casamento com Johnny Depp, ela detalhou anos de supostos abusos em detalhes gráficos. “Ele disse: ‘Eu vou te matar'”, lembrou Heard de uma briga, que ela diz que terminou com Depp prendendo-a em uma bancada e penetrando-a repetidamente com uma garrafa de bebida. Enquanto Heard soluçava no banco dos réus, o clima no tribunal escureceu. Até mesmo Depp parecia sombrio quando levantou os olhos do bloco de notas para observá-la.

Seus fãs não se comoveram. “Rainha do drama”, “Lágrimas de crocodilo, vamos lá”, comentaram os espectadores em uma popular transmissão do tribunal do YouTube em um bate-papo ao vivo. “Ela adora falar sobre si mesma, não é”, “Uau, ela é um pedaço de trabalho”, “NÓS NOS IMPORTAMOS”, “que atriz”. Logo após o julgamento do dia, um clipe de Heard limpando o nariz com um lenço começou a circular nas mídias sociais; Os fãs de Depp especularam que ela provavelmente estava cheirando cocaína na frente do júri.

Nas últimas quatro semanas, Heard e Depp apresentaram uma imagem angustiante de seu casamento breve, mas turbulento. O testemunho de ambos os lados tem sido doloroso e exigente: os advogados de Heard perguntaram a Depp por horas sobre seu uso de substâncias, enquanto suas testemunhas fizeram alegações duvidosas sobre o suposto “distúrbio de personalidade histriônica” de Heard. Sua equipe exibiu fotos de seu rosto machucado, lábio machucado e tufos de cabelo no chão do quarto destruído do casal. Depp admitiu ter pintado mensagens ameaçadoras em suas paredes com seu próprio sangue, enquanto as mensagens de texto o mostram se desculpando por “espalhar raiva” contra ela em um apagão, além de dizer que esperava que o “cadáver apodrecido de Heard estivesse se decompondo na porra do porta-malas de um Honda Civic.”

Não importa o quão contundente as evidências possam parecer no tribunal, as mídias sociais contam uma história diferente: Instagram e TikTok estão cheios de memes que colocam Depp como vítima e Heard como agressora, com a intenção de ganhar dinheiro que arruinará a carreira de seu ex. Quase cinco anos depois que as denúncias sobre o predador em série Harvey Weinstein, revelaram as maneiras pelas quais homens poderosos alavancam sua influência para encobrir má conduta, Depp v. Heard parece uma regressão chocante. Aqui está uma mulher contando, em detalhes agonizantes, como um homem extremamente famoso supostamente abusou dela. Por que, em 2022, tantas pessoas parecem odiá-la por isso?

O caso centra-se no editorial de 2018 do Washington Post de Heard, no qual ela se identificou como “uma figura pública que representa o abuso doméstico”, mas nunca mencionou Depp pelo nome. Na época, Depp estava travando uma batalha legal com o The Sun por chamá-lo de “espancador de esposa”, um processo que ele perdeu. No entanto, Depp atacou Heard com um processo de difamação de US$ 50 milhões, argumentando que suas alegações “demonstravelmente falsas” “trazeram novos danos” à sua reputação e carreira. Depois que um juiz negou o pedido de Heard para arquivar o caso, ela o contra-processou por US$ 100 milhões.

Seu novo julgamento começou no mês passado, e cada minuto foi televisionado. Todas as manhãs, quando o tribunal se reúne, centenas de milhares de espectadores assistem a transmissões ao vivo nos canais Law&Crime Network e Court TV no YouTube. Multidões de apoiadores de Depp se reúnem do lado de fora do Tribunal do Condado de Fairfax e, quando o processo termina, eles apressam seu carro e enfiam presentes pela janela aberta. Sua celebridade cria uma aura de empolgação palpável: “Capitão Jack Sparrow no tribunal hoje” disse um apresentador da CourtTV durante o depoimento de Depp. “Quem não ama o Capitão Jack Sparrow?” Emoticons de pipoca surgem nas barras de bate-papo afixadas nos streams do YouTube, que se transformam de forma confiável em vitríolo absoluto. “Milhões de mulheres matariam para ter Johnny.” “Ela é apenas uma ativista do Me Too que viu uma oportunidade de promover sua carreira e destruir um ícone de Hollywood ao mesmo tempo.”

O sentimento anti-ouvido rapidamente se espalhou além da seção de comentários, gerando toda uma taxonomia de memes valorizando Depp. Fotos dele no banco das testemunhas estão inscritas com suas citações inspiradoras (“Johnny Depp disse uma vez, as pessoas choram não porque são fracas, mas porque foram fortes por muito tempo. Todo mundo tem um ponto de ruptura.”) Meu Instagram “Explore A página” é subitamente polvilhada com fotos de Depp em seu auge: versões muito mais jovens do ator beijando Winona Ryder e Kate Moss ou segurando uma Lily-Rose Depp em sépia. Quando o rosto de Heard aparece, é ao lado de legendas como: “Você pode ver o momento em que ela se lembra que deveria estar triste”. Depois que Depp alegou que Heard defecou em sua cama quando ele a deixou, “Amber Turd” e “#MePoo” foram tendências no Twitter por dias. (De acordo com Depp, ela culpou os cães dos casais pelo incidente.)

De sua parte, Heard nunca afirmou ter se comportado perfeitamente em seu relacionamento. Em gravações tocadas no tribunal, ela parece ocasionalmente insultar e menosprezar Depp: “Diga ao mundo, Johnny”, ela disse a ele em 2016. “Diga a eles: ‘Eu, Johnny Depp, um homem, vítima também de violência doméstica .’” No depoimento, Heard admitiu gritar com Depp, chamá-lo de “nomes feios” e bater nele. Os fãs de Depp apontam para sua prisão em 2009, que se seguiu a uma discussão que ela teve com a ex-namorada Tasya van Ree, para sugerir que Heard tem um histórico de brutalizar seus parceiros; van Ree, por sua vez, já afirmou que a polícia “deturpou” o incidente para acusar Heard injustamente. (Uma pessoa de quem o tribunal não ouviu: Ellen Barkin, que disse em um depoimento que Depp uma vez jogou uma garrafa de vinho nela quando os dois namoraram brevemente. Em seu julgamento no Reino Unido, Depp disse que Barkin foi motivada por um “rancor” porque ele não retornou seus sentimentos.)

Testemunhas de Depp descreveram Heard como exigente e volátil, e um conselheiro matrimonial que trabalhou com o casal testemunhou que eles se envolveram em “abuso mútuo”. Esse não é um termo que os especialistas em violência doméstica gostam de usar porque ignora o poder desigual e o bullying inerente à violência entre parceiros íntimos. “Autodefesa” é mais precisa e, em seu depoimento, Heard delineou um ciclo em que os ciúmes de Depp, inflamados por supostos lapsos de sobriedade, desencadearam discussões explosivas. Ela disse que ele tentou dissuadi-la de aceitar trabalhos como atriz, assegurando-lhe: “Você não precisa trabalhar, garota; Eu cuido de você”, e a criticou por considerar papéis que exigiam cenas de sexo e beijos. Eventualmente, ela disse que ele até conseguiu aprovação no guarda-roupa. No relato de Heard, a dependência de substâncias de Depp o dividiu em duas pessoas: um parceiro atencioso e generoso quando estava sóbrio e um “monstro” violento e irracional quando não estava. “Eu tentaria me defender”, disse ela ao tribunal. “Em dezembro de 2014, eu recuaria.” Quando os fãs de Depp acusam Heard de explorar a riqueza e o status do ator, eles reconhecem implicitamente um desequilíbrio de poder. Ambos são atores, mas um deles é mais realizado, mais elogiado, mais influente. Um deles foi indicado a três prêmios da Academia. Um deles é um nome familiar, enquanto o outro é mais famoso no contexto dessa batalha legal.

Os fãs de Depp também têm uma capacidade perturbadora de pegar as evidências que Heard apresenta e jogá-las contra ela. Um vídeo de um tumulto bêbado – imagens em que Depp quebra copos e esvazia uma garrafa de vinho – torna-se prova da capacidade de manipulação de Heard. Eles questionam seus motivos: por que ela estava gravando ele em primeiro lugar? Depois, há as mensagens de texto que Depp enviou a seu amigo, o ator Paul Bettany, em 2013, refletindo sobre afogar Heard e incendiar seu corpo. No bate-papo ao vivo da Court TV, um observador admitiu que os textos pareciam ruins, mas: “Ela ainda se casou com ele”. Se a culpabilização da vítima é desaprovada hoje em dia, você não saberia disso olhando a maneira como as pessoas falam sobre Heard online. Até a empresa de maquiagem Milani Cosmetics entrou em ação, postando um TikTok desmentindo uma afirmação feita nas declarações iniciais de que Heard confiava em kits de corretivo como o deles para cobrir seus hematomas. “A coisa é”, escreveu Ireland Baldwin no Instagram, “eu conheço mulheres que são exatamente assim. Elas são manipuladoras e frias e usam sua própria feminilidade para se fazer de vítima e virar o mundo contra o homem porque vivemos em uma sociedade onde é legal dizer que os homens são os piores e blá blá foda blá.”

Alegações falsas de violência doméstica são extremamente raras. Tomando este julgamento como exemplo, você pode ver o porquê: o processo legal traz uma dor implacável e certamente não é ponderado para os sobreviventes. Se você revidar, muitas vezes é enquadrado como cúmplice do abuso. No entanto, a ideia de que as mulheres inventam histórias condenatórias para prender homens inocentes se recusa a morrer. Os advogados de Weinstein classificaram seus acusadores como mentirosos motivados por fama e dinheiro. Bill Cosby afirmou repetidamente o mesmo. Woody Allen caracterizou as alegações de abuso sexual de sua filha como uma tentativa de sua ex vingativa de destruir sua carreira. Nos últimos anos, finalmente parecia que o público estava começando a acreditar nas vítimas. Mas ao que tudo indica, Depp continua desfrutando do benefício da dúvida mesmo lendo os textos em que se referia a Heard como uma “prostituta escorregadia”.

A queixa central de Depp neste caso afirma que o editorial de Heard deixou sua reputação em frangalhos, uma alegação em desacordo com os enxames de fãs que se reuniram em torno dele no tribunal e online. Embora sua carreira esteja em uma espiral descendente há algum tempo, os advogados de Heard apontaram que a má imprensa – acusando Depp de ficar bêbado no set e destacando uma série de fracassos de bilheteria caros pelos quais ele ganhou um salário enorme – começou anos antes de Heard pedir o divórcio. Depp nega ter vícios em drogas e álcool, e ainda assim sua reputação de festeiro o precede. Ele aparentemente tem um temperamento. Ele foi acusado de socar um membro da equipe em um set de filmagem sem provocação. Ele se tornou agressivamente litigioso. Para alguns executivos da indústria, o processo de difamação de Depp no ​​Reino Unido colocou o último prego no caixão profissional que ele mesmo construiu.

Na minha página “Explore” do Instagram, a nostalgia por uma versão específica desse homem – irracionalmente quente, amplamente respeitado como um dos atores mais talentosos de Hollywood – parece ter eclipsado a realidade. No entanto, o fervor de seus fãs confirma pelo menos parte do que Heard está dizendo: Depp é tão famoso, tão amado, ele poderia se safar de quase tudo. “Ninguém contou a ele” sobre seu suposto abuso de substâncias e problemas de comportamento, disse Heard no depoimento. “Este homem perdeu o controle de seus intestinos, e eu limpava tudo depois dele… Então ele andava pensando que não tinha um problema.” Em seu julgamento na Virgínia, os advogados passam horas separando seus textos maliciosos, e-mails vingativos e testemunhos cansativos. Então ele se levanta, abre as portas do tribunal, e a multidão ainda enlouquece.

Em seu editorial, Heard escreveu que, depois de se divorciar de Depp, ela “sentiu toda a força da ira de nossa cultura pelas mulheres que se manifestam”. Como este julgamento deixa claro, ela não estava mentindo sobre isso. Mesmo depois de tantas mulheres terem apresentado relatos de abuso nos últimos anos, o julgamento de Heard é um lembrete sério de que a credibilidade da vítima ainda é uma coisa frágil. Não importa o que você diz quando ninguém está disposto a ouvir. Penso nos sobreviventes após o julgamento em casa: se esta é a resposta que uma pessoa pode esperar ao expor suas reivindicações no tribunal, por que falar?

Matéria: The Cut | Tradução e adaptação: Equipe Amber Heard Brasil




A enxurrada de conteúdo abusivo direcionado a Heard não está apenas prejudicando a ela e os futuros sobreviventes, mas também está moldando como os jovens entendem a violência doméstica.

Por Anya Zoledziowski

Enquanto o caso de difamação de Johnny Depp e Amber Heard se desenrola em um tribunal da Virgínia, um julgamento separado está ocorrendo online, onde o veredicto se inclina fortemente para Depp ser a “verdadeira vítima”.

Por semanas, memes e vídeos chamando Heard de “mentirosa”, “psicopata” e “manipuladora” congestionaram as mídias sociais. Eles tiram sarro de seu cabelo, roupas e expressões faciais, e às vezes até desejam que ela morra. Somente no TikTok, a hashtag #justiceforjohnnydepp foi visualizada 16,3 bilhões de vezes – em comparação com apenas 53,6 milhões para #justiceforamberheard (nem perto de 1 por cento).

Hoje, esse julgamento está em nossos bate-papos em grupo, no bar, e pode até surgir durante o jantar, e é uma realidade que de certa forma já declarou Heard a perdedora – mesmo que ela vença no tribunal.

“Na verdade, provavelmente será pior para ela se ela vencer”, disse Mandi Gray, especialista em justiça de gênero e pesquisadora da Universidade de Calgary, à VICE News. “A humilhação pública, na minha opinião, vai aumentar.”

Pelo menos parte do conteúdo pró-Johnny vem do site de direita Daily Wire, fundado por Ben Shapiro. (A VICE World News descobriu como o Daily Wire gastou milhares de dólares em publicidade pró-Depp.) Mas também houve rumores de que trolls e bots estão espalhando rapidamente conteúdo em defesa do ator de Piratas do Caribe. Depois, há os criadores de conteúdo que começaram a comentar sobre o julgamento para ganhar seguidores e influência.

O dilúvio avassalador de conteúdo direcionado a Heard é abusivo e humilhante, dizem os especialistas, e é em parte por que nós, coletivamente como sociedade, estamos falhando com Heard.

“Eu não acho que nós só falhamos com Amber Heard. Acho que falhamos com todas as mulheres que sofreram violência de gênero,” disse Gray.

Independentemente de você acreditar em Depp ou Heard ou em ambos, muitos de nós estão se acumulando no abuso que Heard disse repetidamente que sofreu: criando – ou consumindo ou compartilhando ativamente – vitríolo anti-Heard. É também por isso que Depp, de certa forma, já venceu, dizem os especialistas.

“É preciso uma aldeia” disse a defensora da justiça de gênero Farrah Khan. “Não se trata apenas da pessoa causar dano; é sobre as pessoas ao redor que permitem, defendem e incentivam.”

Tudo isso está acontecendo enquanto ainda estamos a dias de um veredicto no tribunal de Fairfax, onde Depp lançou um processo de difamação de US$ 50 milhões contra Heard em resposta a um editorial do Washington Post de 2018, que Heard escreveu sobre suas experiências com agressão doméstica. A postagem não nomeou Depp, mas o ator indicado ao Oscar afirma que é “claramente” sobre ele e que isso lhe custou sua carreira. Heard está processando Depp por US$ 100 milhões em danos. Tanto Heard quanto Depp acusam o outro de ser abusivo, mantendo sua própria inocência.

Durante semanas, o tribunal ouviu testemunhos angustiantes de ambos os atores, que produziram imagens, gravações de áudio e mensagens de texto privadas para defender seus casos. Em uma série de textos, Depp disse que queria “queimar” Heard e que “foderia seu cadáver queimado” para “ter certeza de que ela está morta”. Em uma gravação de áudio tocada repetidamente para o júri, Heard diz a Depp que ela o “bateu”, mas não o “socou”. “Eu não te dei um”, ela diz no áudio. Fotos de Heard com o rosto machucado e inchado e o cabelo arrancado do couro cabeludo acompanham várias alegações de abuso que ela diz ter sofrido nas mãos de Depp.

Depp diz que Heard cortou a ponta de seu dedo durante a infame briga na Austrália. (Na época, ele disse às pessoas que ele mesmo fez isso.) Foi durante essa briga que Heard diz que Depp jogou vidro repetidamente e a penetrou com uma garrafa. Ela disse ao tribunal que Depp segurou uma garrafa quebrada em seu queixo e disse que ele “cortaria” seu rosto.

Os comentários que acompanham as transmissões ao vivo do julgamento fizeram pouco caso dos textos violentos de Depp (“lol Johnny”) e honram suas alegações, enquanto chamam as imagens dos ferimentos de Heard de “photoshop” e enviam spam para seu testemunho com emojis de vômito.

Mesmo as pessoas que dizem que sofreram abusos expressaram seu desdém por Heard. Mas, como Khan disse, somos especialistas apenas quando se trata de nossas próprias experiências.

“Isso não faz de você um especialista em violência doméstica como um todo, porque isso acontece de muitas maneiras diferentes” disse Khan.

“Você terá mais predadores – e mais violência.”

Vários defensores da justiça baseada em gênero disseram à VICE News que se deve acreditar em Heard, e notam que casos de difamação são frequentemente usados ​​por abusadores para controlar e coagir sobreviventes.

Gray, que estudou o fenômeno e está sendo processada no Canadá por twittar sobre alegações de agressão sexual, disse que esses casos legais são uma “maneira de humilhar publicamente as pessoas, principalmente as mulheres, e obter o controle”. Isso ocorre em parte porque, quando você é processado, precisa entregar uma grande parte de sua vida: mensagens de texto entre amigos e familiares, e-mails e muito mais, que são escrutinados no tribunal.

“É um processo muito invasivo” disse Gray, acrescentando que, ao iniciar processos de difamação, os criminosos também podem tentar “inverter o roteiro”.

“Este caso não é exceção. É a regra” disse Gray.

Mas mesmo que Heard esteja mentindo, isso justificaria o ódio que fervilha nossos feeds de mídia social? “Você ainda não diria que não está tudo bem – eu não quero que ela se prejudique, eu não quero que ela se machuque?” disse Khan.

Os comentários mordazes já estão causando um efeito silenciador. Alguns leitores entraram em contato para dizer que estão com muito medo de falar contra Depp porque não querem que “sua horda” os ataque.

Em breve, isso silenciará as próprias vítimas e sobreviventes de violência doméstica, disse Jaclyn Friedman, escritora feminista e fundadora do EducateUS, um grupo dedicado a melhorar a educação sexual nos EUA.

“Você só vai ver menos vítimas se manifestando. Algumas vítimas vão pensar que não podem sair porque viram seus amigos e familiares atacarem Heard e apoiarem Depp” disse Friedman.

“O que tudo isso significa é que você terá mais predadores – e mais violência.”

Isso provavelmente seria ainda pior para outras mulheres, especialmente mulheres de cor ou mulheres mais pobres. A sexualidade de Heard foi armada durante sua briga com Depp: os tablóides a pintaram como promíscua e insinuam que ela traiu Depp – tudo porque ela namorou homens e mulheres. Mas a estrela do Aquaman também é branca e convencionalmente atraente.

Então, se tratamos tão mal uma mulher branca cis, “o que estamos dizendo para o resto?” disse Khan. “Penso em Megan Thee Stallion… penso em FKA Twigs.”

O caso de Heard também tem o potencial de moldar como os jovens entendem a violência sexual e doméstica. Cerca de um terço dos usuários do TikTok nos EUA têm entre 10 e 19 anos e mais da metade são mulheres. Eles, sem dúvida, verão o conteúdo do Depp-Heard. Muitos desses usuários sofrerão violência sexual e doméstica, apontou Khan.

“Esta é uma questão que devemos levar a sério porque esta é uma das maiores campanhas públicas de desinformação que já vimos sobre violência doméstica” disse Khan. “Este caso está moldando como os jovens veem a violência doméstica.”

Khan também disse que a maneira como tudo isso está se desenrolando também criará um manual de “como prejudicar”.

Portanto, embora uma “vitória no tribunal seja melhor do que uma derrota” disse Friedman, “a mensagem foi enviada não apenas às vítimas atuais, mas às futuras vítimas de que você precisa estar disposto a passar por humilhação pública, assassinato de caráter e retraumatização.”

O processo judicial deve terminar na sexta-feira, com um veredicto esperado logo depois. Mas, como Friedman apontou, “muito do dano já foi feito”.

Enquanto isso, as equipes jurídicas de Heard e Depp estão encerrando seus casos agora em suas últimas tentativas de influenciar o júri. Mas mensagens de texto estranhamente prescientes escritas por Depp anos atrás sugerem que o que está acontecendo fora do tribunal já está acontecendo do jeito dele.

“Eu não tenho misericórdia, nem medo e nem um pingo de emoção, ou o que eu uma vez pensei que era amor por essa interesseira, baixo nível, dez centavos, uma dúzia, podre, baranga sem sentido, estou tão feliz por ela quer ir lutar contra isso!!! Ela vai bater na parede com força!!!” Depp escreveu em 2016, presumivelmente sobre Heard depois que ela pediu uma ordem de restrição contra ele.

“Ela está implorando por uma humilhação global total… Ela vai conseguir.”

Matéria: Vice | Tradução e adaptação: Equipe Amber Heard Brasil




Em 2018, Amber Heard escreveu sobre a “ira da cultura” para mulheres que falam sobre violência sexual e denunciam os abusos sofridos. Mais de três anos depois, essa ira continua acontecendo – dentro e fora do tribunal.

Os fãs de seu ex-marido, o ator Johnny Depp, a xingam on-line e nas portas do tribunal. As empresas estão vendendo mercadorias marcando-a como uma mentirosa. Usuários de redes sociais expressam desejos de matá-la. A reação pública que Amber Heard enfrenta agora é a mesma “ira da cultura” sobre a qual ela escreveu há mais de três anos. Em 2018, Heard escreveu um artigo de opinião para o The Washington Post intitulado: “Falei sobre a violência sexual – e enfrentei a ira de nossa cultura. Isso tem que mudar.

No artigo, ela se descreveu como “uma figura pública que representa as vítimas de abuso doméstico” e contou como “sentiu toda a força da ira de nossa cultura pelas mulheres que se manifestam”.

Essas palavras estão agora no centro de um julgamento multimilionário de difamação entre Heard e seu ex-marido, Johnny Depp, que está sendo observado e assistido de perto em todo o mundo. Depp está processando sua ex-esposa por US$ 50 milhões, acusando-a de difamá-lo no editorial.

O ator de Piratas do Caribe não é nomeado no artigo, mas afirma que isso implica falsamente que ele é um agressor doméstico, algo que ele nega veementemente, e que o deixou lutando para conseguir papéis em Hollywood. Heard está processando por US$ 100 milhões, acusando Depp de orquestrar uma “campanha difamatória” contra ela e descrevendo seu processo como uma continuação de “abuso e assédio”. O julgamento começou em 11 de abril com depoimentos explosivos dentro do tribunal.

O próprio Depp depôs por vários dias e Heard deve ser chamada como a primeira testemunha de defesa na quarta-feira, 4 de maio. Mas enquanto suas duas equipes jurídicas continuam a discutir as palavras no editorial, é inegável que a “ira da cultura” que Heard falou no auge do movimento #MeToo em 2018 ainda está muito viva. Dentro e fora do tribunal em 2022.

“Muitas vezes, quando uma mulher é abusada e fica quieta, as pessoas a criticam com ‘Por que você não disse alguma coisa?'”, disse uma fonte próxima a Amber Heard ao The Independent. “Bem, ela fez. Ela falou. E agora está sendo atacada por isso.”

Tudo começou no primeiro dia, quando os fãs de Depp chegaram ao tribunal de Fairfax com placas que diziam “Justiça para Johnny” e buquês de flores para o ator. Então, apenas quatro dias depois do início do julgamento, dois desses fãs foram removidos do tribunal depois que as autoridades souberam que eles haviam feito ameaças violentas contra Heard nas mídias sociais. As duas mulheres foram escoltadas de seus assentos na galeria por guardas do tribunal depois de conseguirem garantir pulseiras cobiçadas para assistir ao julgamento em apoio a Depp, informou o New York Post em uma matéria publicada em seu site.

Uma das mulheres supostamente chamou a Sra. Heard de “puta” e escreveu “Mal posso esperar pelo dia em que mato Amber Heard” em um post de mídia social.

“Minhas pernas são fortes o suficiente para quebrar seu rosto… Ameace Johnny Depp novamente e você verá o que quero dizer”, dizia um post de mídia social da segunda mulher.

Hordas de outros usuários de mídia social após o julgamento também fizeram ameaças violentas contra Heard, enquanto a hashtag #JusticeforJohnny tem sido tendência em apoio a Depp.

“Alguém mate aquela vadia da Amber Heard”, uma pessoa twittou.

“Eu tenho a habilidade de matar Amber Heard”, escreveu outro.

“É aquela velha questão. Se você tivesse uma chance em uma máquina do tempo, você voltaria no tempo e mataria um bebê Amber Heard?” outra pessoa escreveu.

Fora do tribunal, Heard também foi atacada. Apoiadores de Depp foram vistos perseguindo carros que transportavam Amber e sua equipe jurídica para longe do prédio. Enquanto isso, na segunda-feira, imagens compartilhadas on-line mostraram Heard sendo vaiada e assediada por uma multidão com uma pessoa chamando-a de “bruxa” quando ela deixou o tribunal. Com as preocupações crescentes com a segurança de Heard, surgiu a notícia esta semana que ela havia contratado uma equipe de segurança de elite para protegê-la enquanto estava no prédio do tribunal e no caminho para o julgamento e saída dele, para o local em que está hospedada enquanto o julgamento ocorre na Virgínia.

A equipe de segurança, muitos deles ex-oficiais militares e do governo trabalhando disfarçados, foram instruídos a ficar atentos a “apoiadores de lobos solitários tentando obter acesso aos terrenos, veículos ou entrada das instalações do Tribunal do Condado de Fairfax”. ”, de acordo com um memorando visto pelo New York Post. A aparência de Heard também se tornou uma fonte de críticas, com as mídias sociais em excesso fazendo uma zombaria de suas expressões faciais supostamente “não naturais” no tribunal.

Outra tendência bizarra, afirmam os usuários das redes sociais, é que a atriz está copiando as escolhas de guarda-roupa do ex-marido.

“Eu tenho assistido ao julgamento de Johnny Depp e notei que Amber Heard está se espelhando nele através de roupas”, escreveu uma pessoa.

“Quando Johnny usava um terno cinza… no dia seguinte ela usava a mesma coisa. Então ele usou um conjunto Gucci e ela usou no dia seguinte”, acrescentou outro.

As empresas agora também estão lucrando com o crescente sentimento anti-Heard, vendendo mercadorias como camisetas e canecas com slogans atingindo a atriz ou citações celebrando o depoimento de Depp no ​​tribunal. A plataforma de comércio eletrônico do Urban Dictionary está vendendo uma caneca de US $ 33 “Amber Heard”, impressa com uma descrição de Heard como “uma atriz que nem sabe atuar e é mais conhecida por se divorciar de Johnny Depp e depois mentir sobre seu relacionamento com ele para a mídia ”.

Em outro site, “Don’t be an Amber” (Não seja uma Amber) e “Team Johnny” (Time Johnny) aparecem em camisetas e banners, alguns dos quais foram usados ​​por fãs de Depp fora do tribunal. Em uma reviravolta improvável, uma marca de maquiagem também entrou no julgamento postando um TikTok refutando uma alegação feita pela equipe jurídica de Heard.

Em declarações de abertura, a advogada Elaine Bredehoft mostrou ao tribunal o Kit de Corretivos “All In One” da Milani Cosmetics dizendo, como exeplo, que aquele era o tipo de corretivo (que possui várias tonalidades) que Heard usou para encobrir seus hematomas do abuso que sofreu de Depp. A Milani Cosmetics foi à sua conta oficial do TikTok para dizer que seu produto não foi lançado até 2017, depois que Heard e Depp se divorciaram em 2016. No TikTok, que acumulou milhões de visualizações, Milani disse: “Vocês nos pediram… deixe o registro mostrar que nosso Kit de Correção foi lançado em 2017! “Tome nota: o suposto abuso foi por volta de 2014-2016, se divorciou em 2016, data de lançamento da paleta de maquiagem: dezembro de 2017.” Horas depois, um fã de Depp foi ao tribunal para tentar entregar a informação à sua equipe jurídica.

Enquanto isso, os pedidos também estão crescendo para que Heard seja retirada do próximo filme do Aquaman. Uma petição do Change.org, intitulada “Remova Amber Heard de Aquaman 2”, atingiu mais de 2,4 milhões de assinaturas na manhã de sexta-feira. A petição chama Heard de “abusadora doméstica conhecida e comprovada”. (sendo que Depp foi comprovado como abusador em 2020, ao perder o processo movido contra o Jornal The Sun. Por outro lado, os fãs de Depp estão apoiando o ator fora do tribunal e nas mídias sociais. Mesmo dentro do tribunal, Depp provocou risos com piadas de que toda hora é “happy hour” quando questionado sobre seus problemas com álcool e drogas. Ele também arrancou risadas quando previu uma objeção de boatos dos advogados de Heard, dizendo ao tribunal “estou aprendendo”.

A diferença gritante no tratamento do público dos dois atores levanta questões sobre até que ponto a sociedade realmente chegou desde que Heard escreveu pela primeira vez sobre a “ira cultural” enfrentada pelas mulheres que apresentam alegações de violência sexual.

“Eu diria que as reações negativas agora são provavelmente muito semelhantes ao que eram naquela época”, disse Erinn Robinson, diretora de relações com a mídia da organização anti-violência sexual Rainn, ao The Independent.

“Em ambas as vezes, houve visivelmente uma reação online.”

A reação que os sobreviventes continuam enfrentando quando se manifestam é prova de que há “mais trabalho a fazer”, diz ela.

“Acho importante que o público entenda que os sobreviventes enfrentam muitas barreiras para se apresentar. “Eu definitivamente acho que isso sinaliza que temos mais trabalho a fazer em termos de compreensão do trauma”, diz ela.

“E cada sobrevivente que se apresenta deve ser acreditado e apoiado e ter sua experiência validada.”

Quando um sobrevivente está acusando um indivíduo poderoso, há também uma “camada adicional” para a reação e sua luta a ser acreditada, diz ela. “A dinâmica de poder pode influenciar a capacidade de um sobrevivente de ter sua experiência validada e acreditada e essa dinâmica de poder certamente afeta a decisão de um sobrevivente de buscar a justiça criminal ou não”, diz Robinson.
A dinâmica de poder neste caso é complexa, pois tanto Depp quanto Heard são atores famosos e ricos.

No entanto, em Hollywood, Depp tem uma carreira mais bem estabelecida e uma base de fãs maior, já que ele é um nome conhecido em todo o mundo há mais de quatro décadas – o que talvez se reflita em seu maior apoio público até agora durante o julgamento. No domingo, descobriu-se que Heard havia dispensado sua equipe de relações públicas de crise na Precision Strategies e recrutou a Shane Communications para tentar combater a cobertura negativa em torno do caso. Mas, para Robinson, o impacto duradouro do sentimento anti-Heard vai muito além de Heard e sua briga legal apenas com Depp. Ela adverte que isso pode desencorajar as vítimas de apresentar suas próprias histórias.

“Sempre que vemos um caso público como esse, particularmente com indivíduos famosos, é comum ver uma reação contra os sobreviventes”, diz ela. “E para outros sobreviventes que pesam a decisão de denunciar os abusos sofridos ou não, eles vêem reações nas mídias sociais a pessoas no tribunal e isso pode ter implicações em suas decisões individuais de apresentar e processar [acusações] no sistema de justiça criminal ou decidem que há muito escrutínio e potencial para ridículo que eles não querem.” “Também pode ter um impacto assustador além do caso.”

Esses ataques públicos a vítimas de violência sexual que falam sobre suas experiências muitas vezes “repercutem e se espalham além de um caso individual ou momento no tempo”, explica ela.

“Isso indica muito para os sobreviventes como eles podem ser percebidos se eles se apresentarem e definem um tom para que eu possa imaginar que as palavras e reações que estamos vendo estão definitivamente tendo implicações”, diz ela.

Apesar das preocupações de que o tratamento para com Amber Heard possa impactar negativamente a disposição das vítimas de falar sobre violência sexual, Robinson insiste que não é um sinal de que o movimento MeToo já acabou.

“O que eu acho que o MeToo realmente fez foi esclarecer o quão difundido é esse problema de assédio sexual e violência sexual”, diz ela. “Acho que fizemos grandes avanços na compreensão do escopo do problema. “Mas agora a questão é: OK, sabemos o quão difundido e difundido é, então para onde vamos a seguir? “E é aqui que o público precisa entender que ainda estamos em um nível muito rudimentar de compreensão desse tipo de trauma.” Todas as pessoas que se apresentaram para compartilhar suas histórias começaram uma conversa poderosa, diz ela. “Mas é uma conversa que está apenas começando”, acrescenta ela. “Já analisamos o problema e agora precisamos continuar.”

Tradução e adaptação: Equipe Amber Heard Brasil.
Artigo Original: Independent UK.







layout desenvolvido por lannie d. - Amber Heard Brasil